7 sinais de que seu filho tem um amigo tóxico. Quando um amigo abusivo dse aproxima de seus filhos, o que os pais podem fazer?

JASSMIN PETER-BERNTZEN escreveu esse artigo que aparentemente é um dos assuntos que mais perturbam os pais de adolescentes, mas não só eles, crianças pequenas também sofrem ataques ou são manipuladas por outras crianças. Por isso, vamos aos fatos, todos nós já passamos por isso e agora, como pais, precisamos aprender a lidar com os amigos dos nossos filhos.

O autor inicia o texto nos fazendo lembrar da nossa infãncia: “Lembra quando você era jovem e sua mãe não aprovava você sair com aquele amigo? “Ele é uma má influência e eu quero que você pare de vê-lo!”. Mamãe iria, com certeza, culpar o amigo, depois que ela pegasse você fazendo algo travesso (de novo) com seu melhor amigo.

No entanto, você se fez de surdo porque “Dennis o Pimentinha” era o garoto mais legal do quarteirão. E daí se você foi parar na sala do diretor depois que ele o incitou a atrapalhar a aula de música? Ele era seu BFF! Na verdade, não era duas vezes mais emocionante ficar com esse amigo simplesmente porque a mãe o desaprovava?

Avance algumas décadas e o carma está de volta para morder seu traseiro. Sua própria descendência está agora fazendo companhia a um personagem duvidoso e você está no limite da sua inteligência.

É irresponsável ficar calado sobre o assunto, mas faça um movimento errado e você corre o risco de sabotar seu relacionamento com seu filho.

É uma situação complicada, então ele selecionou algumas dicas para o Smartparents. Confira os conselhos de especialistas:

“Acredito que as crianças geralmente são boas por natureza e que certos ambientes criam comportamentos que podem resultar em serem ‘tóxicos’.”

Ele é um péssimo amigo?

Só porque seu filho naturalmente reservado faz amizade com alguém barulhento, isso não torna automaticamente esse amigo uma má influência.

“As crianças geralmente formam amizades por oportunidade, ocasião, interesse compartilhado por brincadeiras e, às vezes, tudo se resume à química”, observa Cornelia Dahinten, treinadora da família e diretora de The Parent You Want To Be – Conscious Parenting Training and Playgroups , que organiza a paternidade regular oficinas e palestras.

“Algumas crianças tímidas costumam procurar amigos barulhentos e algumas personalidades alfa barulhentas muitas vezes procuram seguidores.”

É muito fácil detectar as bandeiras vermelhas do comportamento tóxico. Rafizah Begum, psicólogo sênior da Dynamics Psychological Practice, diz que seu filho pode ter um amigo encrenqueiro se um ou mais desses cenários parecerem familiares:

· Histórias sobre o amigo sempre envolvem ele ou ela tendo problemas com figuras de autoridade, intimidando ou tirando sarro dos outros.

· O amigo não respeita as regras do seu filho, como o toque de recolher.

· O amigo é rude com você ou com outros adultos.

· O amigo faz coisas para irritar os outros deliberadamente.

· O amigo é propenso a explosões de raiva e birras.

Por que algumas crianças têm problemas de comportamento

Dahinten diz:

“Acredito que as crianças geralmente são boas por natureza e que certos ambientes criam comportamentos que podem resultar em serem ‘tóxicos’”.

Tais ambientes incluem vínculos insalubres e instáveis ​​com seus pais, ou são criticados ou até mesmo negligenciados por pais ausentes. Isso se refere a pais que estão fisicamente ausentes e emocionalmente indisponíveis.

Crianças com histórico familiar de transtornos de humor ou abuso de substâncias têm maior probabilidade de problemas comportamentais.

Rafizah observa: “Às vezes, se o cuidado for ruim e a supervisão estiver faltando, houver discórdia familiar ou exposição à violência, as crianças responderão desenvolvendo comportamentos desafiadores”.

Quando essas crianças começam a agir, isso está ligado a como elas próprias vivenciaram os relacionamentos, bem como à sua própria compreensão de como obter amor, atenção e conexão. Na verdade, seu comportamento tóxico é conduzido de forma subconsciente e geralmente não intencional.

Dahinten ressalta:

“Nenhuma criança senta lá e pensa: ‘Hmmm, minha mãe só me dá atenção quando faço algo violento’, ou ‘Acho que as pessoas não gostam muito de mim, o que me faz sentir mal, então talvez eu possa tentar ser má para fazê-los me notar’”.

É hora de agir quando você perceber que a amizade está prejudicando a autoestima de seu filho e fazendo-o se sentir mal consigo mesmo.

Sinais de uma amizade tóxica

Aqui estão sinais claros de que seu filho está envolvido em um relacionamento prejudicial.

1. A criança tóxica tira sarro de tudo e qualquer coisa sobre seu filho – sua aparência, coisas favoritas, família, casa e assim por diante.

2. Seu filho está obcecado em agradar sua amiga a ponto de se livrar de tudo que ela amava anteriormente, incluindo brinquedos favoritos e pôsteres de boyband, até mesmo outros amigos.

3. Seu filho começa a se rebelar – tendo problemas na escola, quebrando regras ou se comportando de forma grosseira com membros da família.

4. Seu filho está sempre passando o tempo na casa de seu amigo, em vez de convidá-lo para casa.

5. Eles brigam regularmente, essas brigas geralmente envolvem a criança tóxica ficando brava com a sua.

6. A criança tóxica prega peças desagradáveis ​​em seu filho, fazendo um esforço especial para constrangê-lo.

7. Seu filho fica retraído, triste e irritado por longos períodos de tempo.

As crianças com problemas de comportamento geralmente ficam com raiva e têm relacionamentos complicados com outras pessoas, muitas vezes tumultuadas e controladoras.

Existem cinco tipos de relacionamentos tóxicos:

1. Empurrar/Puxar: A criança tóxica persegue seu filho por amizade, mas toda vez que seu filho sugere brincar juntos, a criança tóxica se afasta.

2. Propriedade: A criança tóxica fica chateada se qualquer outra criança brincar com a sua, ou se o seu pequeno quiser brincar com outras crianças.

3. Whiplash: Se algo de ruim acontecer com a criança tóxica, seu filho arcará com o peso de suas frustrações e raiva.

4. Sempre diga sim: A criança tóxica espera que seu filho concorde com tudo o que ela diz e ficará chateada quando seu filho não concordar.

5. Influenciador: A criança tóxica está chateada com seu filho e influencia o resto das crianças a não brincar com seu mini-eu.

Rafizah diz:

“Seu filho pode estar em uma amizade tóxica se você sentir que a amizade está custando mais ao seu filho do que recompensando-o”.

Você pode notar isso quando a criança volta para casa perturbado pela enésima vez que ela e o amigo não estão mais se falando. Outro exemplo é quando ela de repente para de gostar de algo que amou a vida toda, como purê de batatas, simplesmente porque sua amiga não gosta.

Você pode descartar isso inicialmente como um comportamento pré-púbere, mas é hora de agir quando perceber que a amizade está prejudicando a auto-estima de seu filho e fazendo-o se sentir mal consigo mesmo.

Então, agora que você identificou a semente ruim, como você vai eliminá-la sem prejudicar seu relacionamento com seu mini-eu?

Aqui estão algumas indicações…

Ensine seu filho a reconhecer seus valores

Incentive júnior a escrever seus valores pessoais. Não dite o que escrever, em vez disso, guie-a para escrever a lista sozinha. Deve incluir princípios básicos como “acredito em tratar bem os outros” e “acredito que a honestidade é a melhor política”.

Colocar as palavras no papel vai ressoar melhor com ela e é mais provável que ela se lembre delas durante tempos difíceis. Enquanto ela faz isso, ajude-a também a fazer uma lista de seus direitos.

Ela pode afirmá-los quando alguém tenta maltratá-la. A lista deve incluir declarações como:

“Tenho opiniões e devo poder expressá-las livremente”

“Posso cometer erros, mas tenho a chance de tentar novamente”

“Devo ser tratado com justiça”

“Direi não sem me sentir culpado ou egoísta”

“Talvez a criança tóxica possa estar tendo problemas genuínos em casa ou pode exigir alguma intervenção comportamental.”

Não se apresse em julgar o amigo

Falar mal do amigo tóxico ou proibir a amizade dele não trará os resultados desejados. Isso só vai gerar ressentimento entre você e seu filho e criar um ambiente negativo.

Rafizah acrescenta:

“Muitas vezes, as crianças escolhem sair com alguém que você não gosta como uma forma de rebelião”.

Em vez disso, tenha uma discussão aberta sobre isso. Espere pacientemente que o júnior expresse seu ponto de vista e faça perguntas sem julgamento para aprofundar um pouco mais o comportamento perturbador do amigo.

Perguntas para incluir:

“O comportamento do seu amigo está alinhado com seus valores?” e “Você acha que ela diz e faz coisas boas?”

Rafizah aconselha:

“Compartilhe suas próprias opiniões somente depois que seu filho compartilhar as dela”.

Seja firme com suas opiniões e faça declarações claras sobre o comportamento do amigo, como:

“Não gosto daquele fulano de tal que zombou de Johnny na aula ontem. Eu não quero que você machuque os sentimentos de outras crianças assim também.”

Ao fazer isso, seu filho sabe exatamente de onde você está vindo e está totalmente ciente de suas preocupações.

Convide a amiga e os pais dela para uma brincadeira

Que melhor maneira de destacar suas preocupações do que em uma situação da vida real. Se algo perturbador acontecer, você pode falar sutilmente com os pais da criança e usar isso como exemplo mais tarde em uma discussão com seu filho.

Você também pode ver o quão bem Junior se defende e se ela fala contra o comportamento negativo.

Se os pais da outra parte não parecerem interessados ​​em lidar com a situação, Rafizah sugere conversar com os professores caso seu filho e a amiga dela frequentem a mesma escola.

“Talvez a criança tóxica possa estar tendo problemas genuínos em casa ou pode exigir alguma intervenção de comportamento”, aponta ela.

Incentive seu filho a se manter ocupado com outras atividades

Agora é um bom momento para inscrever seu mini-eu para aquela aula de natação ou aulas de bateria que ela está falando há meses.

Os benefícios são duplos: isso a manterá ocupada, então ela terá menos tempo para gastar com más companhias. Além disso, ela pode encontrar amigos genuinamente legais e acabar expandindo seu círculo social.

Quando júnior sentir que tem mais amigos com quem sair, ela não ficará com muito medo de cortar os laços com o amigo tóxico.

No entanto, não cometa o erro de encher a agenda dela com aulas consecutivas. Explicando que isso pode levar a muitos problemas de saúde mental, Dahinten acrescenta: “As crianças precisam aprender a relaxar e a lidar com elas mesmas”.

Seja um bom modelo

A única maneira de fazer uma mudança é ser a mudança. Leve seu filho junto quando estiver almoçando com sua melhor amiga. Ela terá um vislumbre em primeira mão de como é uma amizade saudável, respeitosa e amorosa.

Você pode até dizer a ela que o papai foi seu amigo antes de se tornar seu marido. Além disso, conte histórias sobre seus dias de amizade e como vocês ainda se respeitam como amigos.

Definir limites

Se tudo mais falhar, então é hora de apertar as rédeas. Se júnior for inflexível sobre passar tempo com o amigo tóxico, implemente um toque de recolher e cumpra-o.

Se o toque de recolher for quebrado, siga em frente com as consequências. Você também deve monitorar seu comportamento técnico. Isso pode ser difícil de enfrentar sem ser intrusivo, admite Dahinten, mas é importante que seu filho saiba por que você está fazendo isso.

“Faça uma discussão em família sobre o tema dos perigos da tecnologia e deixe as crianças expressarem primeiro o que já sabem sobre isso. Então, preencha o conhecimento deles com mais fatos se você achar que eles ainda não estão cientes de todos os perigos”, sugere Dahinten.

“Concorde sobre quantos insights você precisa, discuta o que você espera deles e como eles podem ganhar sua confiança.”

A chave é criar um relacionamento seguro, estável e aberto, onde o júnior seja capaz de cometer erros sem ser culpado ou envergonhado.

Dahinten aconselha que você mantenha a hierarquia natural entre pais e filhos, mas mantenha os limites fluidos, para que seu filho sinta que tem algum nível de controle.

Caso contrário, ela vai se retirar, começar a esconder informações e mentir para você.

*DA REDAÇÃO HP. Foto de saeed karimi no Unsplash.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!