É elementar meu caro leitor, mas nem só de brilhos vive Londres; há um lado sombrio da cidade que a torna uma meca para os amantes das histórias de terror. A neblina típica, os castelos e torres ditos mal-assombrados e os becos sem saída, cenários dos crimes cometidos pelo assassino mais famoso do mundo, Jack, o Estripador, inspiraram contos de Sherlock Holmes e a imaginação de muita gente, que hoje vive à custa de um turismo arrepiante!

Isso porque a bem amada capital inglesa dispõe de tantos eventos e atrações horripilantes o ano inteiro, que não é preciso esperar o dia das Bruxas para sentir a adrenalina disparar de pavor!

O dia das Bruxas mesmo é comemorado em 31 de outubro, com as crianças vestindo trajes assustadores, batendo de porta em porta ameaçando fazer travessuras aos que não derem docinhos, e os adultos vagando noite afora, sedentos por diversão em baladas temáticas.

A cidade também aproveita a ocasião para exorcizar os seus demônios! Casas, hotéis, restaurantes, lojas, tudo fica em função do lado negro: as vitrines ganham teias de aranha; os jardins, morcegos e abóboras sinistras e os restaurantes e bares incluem em seus cardápios pratos especiais e bebidas de nomes sugestivos, como “Beijo do Vampiro”.

Neste ano, ainda aconteceram o Ghost Festival – um evento em que museus, bibliotecas, cinemas e empresas de cruzeiros pelo Tamisa tiveram programação mórbida, e as famosas Ghost Walks, as “Caminhadas Fantasma”. As Ghost Walks, assim como outras atrações na linha trash, acontecem o ano todo e são organizadas por guias para percorrer os pontos mais tenebrosos da cidade, contando sobre suas histórias de terror passadas e os locais ditos “mal-assombrados”.

A Bonfire Nigh”, ou “Noite da Fogueira”, é uma festa ainda maior do que o Dia das Bruxas. Todo dia 5 de novembro, a população se reúne em praças e parques para celebrar a morte de Guy Fawkes, o homem que foi executado em 1605, após ter sido descoberto que planejava explodir o Parlamento Inglês com barris de pólvora. Nas festas, acontecem grandes queimas de fogos de artifício, montam-se fogueiras, barracas de comidas típicas, cantam-se músicas e crianças fazem bonecos de pano e jornal para representar o traidor e no final, atiram- no ao fogo. Muitos saem com fantasias para celebrar e depois reúnem os amigos em casa para tomar sopa, comer batatas assadas, hambúrgueres e maçãs carameladas.

Mas quem está na cidade fora dessa época do ano também encontra várias outras atrações horripilantes. Uma delas é o London Dungeon, ou “Calabouço de Londres”. É uma espécie de teatro interativo, que se passa debaixo da London Bridge, onde atores recriam histórias tétricas da cidade, como as de Jack, o Estripador, da Peste Negra, de fantasmas e outras entidades pouco amigas, usando efeitos especiais, pirotecnia e cenários elaborados!

A Tower of London, ou “Torre de Londres”, é provavelmente o ponto com mais veracidade no passado de horrores que a cidade tem. O rol de possíveis fantasmas inclui não só os dois famosos príncipes que foram assassinados no século XV e Ana Bolena, executada a mando de seu marido, o Rei Henrique VIII, mas também o traidor Guy Fawkes. E não é balela não; há quem jure de pés juntos ter visto almas penadas nas visitas à Torre!

Aberto 365 dias por ano, o museu Ripley’s Believe it or Not! é uma atração especial para quem era fã de Jack Palance nas épocas em que apresentava “Acredite se Quiser” na extinta rede Manchete. Isso porque exibe as bizarrices mostradas pelo programa e que foram coletadas mundo afora por Ripley, um viajante de gosto duvidoso que durante sua vida arrecadou mais de 500 atípicos artefatos. Cabeças humanas no tamanho de uma laranja, animais com duas cabeças, quites para matar vampiros e muitas outras esquisitices podem ser apreciadas de pertinho no museu. Certamente um passeio para quem tem estômago!

Outra opção que requer estômago, mas dessa vez para as delícias da boa mesa, é o Medieval Banquet, localizado próximo à Torre de Londres. Uma combinação de banquete, teatro, danças, bruxaria, mágicas e lutas, com clima de taverna da Idade Média nos porões da Ivory House (Casa de Marfim) faz dessa atração uma experiência divertida e um pouco aterrorizante… Tudo isso por 43 Libras (sim, o preço é bem assustador também!

Em tempo, o musical Wicked, que conta a história não-dita do Mágico de Oz no mundo da feitiçaria é uma excelente alternativa para qualquer época do ano. Dessa vez, a única coisa que não espanta na peça é o preço da entrada, porque é possível assistir ao espetáculo com apenas 15 Libras!

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!