Você perde o conhecimento que não pratica.

POr Nancy Medina

Uma das coisas mais legais de morar em nossa nova casa é o número de pessoas que cultivam hortas aqui em Colorado Springs.

Os clubes de jardinagem e loucos por sociedades de flores são abundantes, e a sustentabilidade parece ser um símbolo de orgulho.

Eu adoro isso, porque cresci em uma fazenda orgânica que produzia hectares de produtos todos os anos.

Quando meus pais se mudaram para o Leste do Texas, eles tinham dois grandes objetivos: Ter uma casa rodeada de árvores (“para que não possamos ver os vizinhos!”) E plantar uma horta orgânica.

Falando em vizinhos, estou espionando descaradamente os jardins dos meus vizinhos aqui na região montanhosa, observando de perto enquanto eles colocam canetas de arame ao redor de canteiros de alface, tomate e pimenta. Eles regam cuidadosamente de manhã e à noite, e colocam fertilizante, cobertura morta e outras guloseimas especiais ao redor de seus botões e flores.

No meio da minha intromissão, está acontecendo a coisa mais linda: toda essa espionagem e essa brincadeira de ser um vizinho intrometido, me trouxe lembranças de minha Mãe, alguns momentos há muito empoeirados e esquecidos.

Como ela adorava encher baldes com abóbora e pepino, e sabia exatamente o que cada planta precisava. Ela nasceu uma menina da cidade em St. Louis, Missouri, mas acabou que ela tinha um polegar muito verde.

Só quando fiquei muito mais velho percebi que meu pai dirigia o trator, minha mãe fazia a mágica que fazia crescer 20 acres de produção, com duas safras abundantes a cada ano.

Como grande parte do trabalho no jardim acontecia no final da tarde, quando mamãe e papai voltavam para casa todos os dias de seus empregos de tempo integral, essas memórias são congeladas com a luz dourada do sol poente.

Lembro-me de como minha mãe virava suavemente uma melancia que estava torcendo seu caule ou colocava terra extra em volta da base de um tomate contra o vento. Ela falava baixinho com as plantas, assim como fazia conosco, com cuidado e amor e com a máxima atenção.

Eu gostaria de ter escrito tudo o que ela nos ensinou naqueles jardins, como ela conservava e enlatava, fazendo seus próprios tomates frescos em jarras que tornavam todos os molhos incríveis.

Acima de tudo, gostaria que tivéssemos esses gadgets irritantes, telefones celulares com câmeras de vídeo, naquela época, porque eu poderia ter capturado tudo em filme, o tempo, o lugar e o espaço com a pessoa que mais amava no mundo.

Você pensaria que crescer em uma fazenda orgânica me deixaria pelo menos um pouco familiarizado com o que é necessário para ser um jardineiro comum, mas aprendi que você perde o conhecimento que não pratica.

Embora eu esteja ficando muito bom em ser o vizinho intrometido, não soutão bom para cultivar vegetais, justamente porque não pratiquei no momento em que minha mãe me passou os ensinamentos.

Felizmente, meu jardineiro-chefe é muito forte e tolera que eu aponte e supervisione com a maior paciência e adora pesquisar locais de jardinagem (e cozinhar para mim, também!).

Quanto a mim, geralmente apenas pinto as margaridas.

E você? Qual conhecimento você tem deixado esquecido por não estar mais praticando? Reflita sobre isso hoje!

*DA REDAÇÃO HP.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!