Carta aberta à minha criança ferida: “Não se preocupe, você vai superar isso’

Muitas vezes me pergunto o que eu diria para o meu eu de 7 ou 8 anos. Que tipo de conselho eu daria para o eu mais jovem? Eu diria: “Não se preocupe, criança, você vai superar isso. Leva muito tempo e paciência, mas você vai ficar bem.”

Poucas pessoas conseguem falar com a sua criança ferida e dizer essas palavras. Eu não era uma garotinha confiante – sempre tive minhas preocupações com tudo e qualquer coisa, como: Serei escritora ou designer de moda quando crescer?

Vou ter sucesso no meu trabalho? Vou amar ou vou odiar? E se eu não crescer para ser uma pessoa que outra pessoa ama? E se eu não encontrar o amor verdadeiro como meus avós encontraram? Encontrarei alguém que me tratará com respeito e me levará ao restaurante para jantar? Serei uma boa mãe para meus próprios filhos? Serei uma boa pessoa com boa moral como todos os outros que conheço?

Eu tive os mesmos pensamentos aos 17, e depois aos 25, e agora aos 28 eu acredito no amor verdadeiro, e que ele virá para mim quando eu não estiver esperando. Acho que tudo vai acontecer quando tiver que acontecer.

Aos 7 e 8 anos, eu era uma princesa esperando seu príncipe vir e arrebatá-la em um cavalo branco. Eu acreditava em contos de fadas. Eu me vesti como minha princesa favorita da Disney, Branca de Neve, quando eu tinha 5 anos.

Eu era uma garotinha que sonhava grande e tinha paixão. Essa paixão foi embora quando eu tinha 23 e 24 anos porque meu sonho de escrever ou trabalhar com moda foi esmagado por adultos e outras garotas que não sabiam nada sobre isso ou me ensinaram que era apenas um hobby no qual eu nunca ficaria boa.

Fiquei com o coração partido que a ideia foi instilada na minha cabeça – eu acreditei na época. Eu acreditava nisso quando tinha 7 ou 8 anos, quando tudo que eu queria era me fantasiar e brincar de casinha imaginária. Tudo que eu queria era ficar livre do julgamento e da vergonha que eu sentia mesmo naquela idade, eu sentia isso no fundo dos meus ossos, fosse de outras garotas da minha idade ou de estranhos que nem me conheciam.

Quando criança, eu sofria bullying de outras menininhas da minha idade, garotas mais bonitas e melhores do que eu. Eles pegaram em mim e disseram que eu era estranho ou não tinha o talento que eles tinham.

Eu era uma criança excêntrica para eles, mas não me importei, nem mostrei isso a eles. Em segredo, às vezes eu chorava até dormir quando chegava em casa.

Eu chorava para meu pai e dizia: “Essas garotas da escola me provocam o tempo todo!” Ele me abraçava e dizia: “Bem, ignore-os, eles estão errados e você é linda!”

Eu acreditei nele então e ainda acredito agora. Meus professores no ensino fundamental e médio me tratavam com respeito. Eles me encorajaram a seguir minha paixão pela escrita. Lembro-me dessa professora substituta que li um poema que escrevi na aula.

Quando me formei e disse a ele para assinar meu anuário, ele escreveu: “Para Brittany, continue escrevendo e seguindo sua paixão, você é um escritor muito bom e vai longe!”

Não me lembro do nome dele, mas ele acreditou tanto em mim para me inspirar a continuar fazendo isso. Aos 7 ou 8 anos eu não tinha fé, mas depois comecei a ter fé quando falava com meus avós sobre isso, eles me deram inspiração para escrever e seguir meu coração em tudo que faço.

Acho que sempre soube que poderia ser algo ou fazer algo que ajudaria outras mulheres ou meninas. Eu sabia que um dia abriria os olhos e sentiria a força e o poder que nunca tive quando era uma garotinha. Mas agora eu diria a essa garotinha: “Seus sonhos se tornarão realidade e você irá longe”.

Eu não era tão segura naquela época quando era uma garotinha ou mesmo quando era adolescente, mas ainda tinha a coragem incutida em mim e a força para dizer: “Afaste-se e deixe-me viver”. Deixe-me fazer o que nasci para fazer sem o julgamento da galeria de amendoim. Prometi a mim mesma que iria longe com a minha escrita ou mesmo com amor e na vida.

Eu fiz e ainda estou indo longe. O conto de fadas está aí e virá a mim um dia desses.

Eu ainda tenho esperança de que o amor vai me encontrar um dia e então eu vou dizer isso para minha filha: A história de como sonhei com o amor quando criança, aos 7 ou 8 anos e finalmente se tornou realidade.

Quero inspirar meu futuro filho quando tiver um, e poderei dizer que seus sonhos também se tornarão realidade.

Mantenha a fé e esperemos que, com o tempo, os sonhos de todos se tornem realidade, porque os contos de fadas existem.

*DA REDAÇÃO HP. Foto de Kat J no Unsplash. Com informações collective.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!