Por Dr Marni Amsellem

Possivelmente, você e sua parceira estão juntos em muitas de suas atividades rotineiras. Os dois, provavelmente adotaram alguns padrões de estilo de vida juntos, para melhor ou pior. Um padrão que provavelmente inclui escolhas em torno do consumo de alimentos, refeições, aperitivos, sobremesas, nível de atividade física, e outros comportamentos de estilo de vida que acabam impactando sobre o peso.

O que acontece quando um parceiro em um relacionamento quer mudar algo em si mesmo algo que poderia potencialmente perturbar os padrões de relacionamento que foram estabelecidos juntos? Por exemplo, digamos que um parceiro decida fazer alterações em sua dieta para emagrecer. Como essas mudanças de um parceiro afetam comportamentos relacionados ao estilo de vida do outro?

Pesquisas sugerem que as mudanças de peso em um parceiro estão relacionadas às mudanças correspondentes no peso no outro parceiro, o que é referido como um “efeito cascata” de mudança de peso.

Normalmente, estudos neste tema utilizam dados de intervenções de perda de peso à base de testes de laboratório ou candidatos à cirurgia bariátrica versus programas de perda de peso, que todos pode adotar. Além disso, poucos estudos exploraram o efeito do tipo de intervenção de perda de peso em um experimento tanto no indivíduo tentando perder peso quanto no parceiro que não aderiu à dieta.

Um estudo recente liderado pelo psicólogo Amy Gorin, Ph.D da Universidade de Connecticut, nos EUA, no entanto, focou na eficácia do mundo real. Seu trabalho examinou o parceiro em dieta e o que não aderiu ao regime, comparando as intervenções de perda de peso em diferentes tipos de tratamento.

Neste estudo, os pesquisadores atribuíram aleatoriamente 130 indivíduos coabitantes com um IMC, tornando-os “sobrepeso” ou “obesos” em um dos dois grupos. Metade (n = 65) participou ativamente de um programa de perda de peso estruturado, consistindo de suporte presencial e on-line via vigilantes do peso (ou seja, o grupo WW) por seis meses, enquanto seu parceiro “não tratado” não recebeu nenhuma intervenção. A outra metade da amostra (n = 65) recebeu um folheto de 4 páginas sobre como fazer escolhas saudáveis (por exemplo, controle da porção, exercício, nutrição), mas nenhuma intervenção subsequente. Esse grupo é o grupo controle autoguiado, e seu parceiro também não recebeu nenhuma intervenção.

Os investigadores avaliaram a evolução da perda de peso de todos os pares por 6 meses. Ambos os membros do casal estavam com sobrepeso ou obesidade no início do estudo (com base no IMC).

Os resultados deste estudo são interessantes por muitas razões. Em primeiro lugar, os esforços de perda de peso foram bem-sucedidos. Ao longo do estudo, os parceiros tratados em ambos os grupos perderam peso, e houve percentuais semelhantes de perda de peso entre os dois grupos tratados aos 6 meses, com trajetórias de perda de peso ligeiramente diferentes ao longo do tempo. Em segundo lugar, a perda de peso ocorreu também no parceiro não tratado. Ou seja, aproximadamente um terço dos parceiros perdeu pelo menos 3% do seu peso basal sem receber qualquer intervenção da perda de peso. Além disso, não houve diferenças nos parceiros não tratados entre aqueles com parceiros nos dois grupos estudados. Isso sugere que o “efeito cascata” acontece se os esforços de perda de peso são estruturados (como vigilantes do peso) ou não estruturados (por exemplo, um folheto educacional).

É relevante constatar que os pares perderam o peso (ou se engajaram na dieta para perder o peso) de forma similar. Então, se uma pessoa tende a ter sucesso, seu parceiro tende a ter sucesso na mesma medida que ele.

Vale ressaltar duas limitações deste estudo. A primeira, de que todos os participantes foram recompensados pelo emagrecimento, o que pode ter influenciado nestes resultados. E a segunda é de que esta pesquisa foi conduzida em parceiros que moravam juntos, portanto, não se sabe se esses padrões se mantêm em outros tipos de relacionamentos (por exemplo, amizades platônicas, familiares coabitantes).

Mesmo assim, o estudo tem muitas implicações do mundo real para a perda de peso bem sucedida. Os prestadores de cuidados de saúde podem recomendar a inclusão de outros membros do convívio em casa no programa para a perda de peso, considerando a mudança de comportamento.

Acima de tudo, este estudo fortaleceu a ideia de que quando uma pessoa muda seu comportamento, as pessoas ao seu redor também mudam. Quando se faz mudanças positivas no estilo de vida, é bem provável que elas influenciem também o seu parceiro.

 

 

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!