Como a sociedade nos incentiva a consumir a vida, em vez de aproveitá-la?

Hoje estamos mais informados do que nunca, mas sabemos menos. Temos mais dados, mas somos menos críticos. Prestamos atenção a um número maior de eventos, mas somos mais esquecidos. Estamos mais conectados, mas também mais sozinhos.

Se quisermos acompanhar o ritmo da vida moderna, somos forçados a priorizar um conjunto de habilidades e hábitos em detrimento de outros. Normalmente fazemos isso inconscientemente, deixando-nos levar pela corrente dominante. A massa estabelece o que é normativo. E geralmente é mais fácil se conformar às regras do que se rebelar. No entanto, dessa forma poderíamos estar consumindo a vida, em vez de lentamente aproveitá-la.

Esse é o perigo para o qual o filósofo Byung-Chul Han nos alerta em seu livro ” O desaparecimento dos rituais: uma topologia do presente “. Han acredita que a cultura ocidental foi estruturada de tal forma que nos rouba algumas de nossas habilidades mais valiosas para compreender e desfrutar plenamente a vida: percepção simbólica e atenção intensiva.

A percepção em série restringe a busca por significado e prazer

“Hoje a percepção simbólica desaparece cada vez mais em favor da percepção serial, que não é capaz de vivenciar sua duração. A percepção serial, como apreensão sucessiva do novo, não se detém nela. Em vez disso, ela corre de uma informação a outra, de uma experiência a outra, de uma sensação a outra, sem terminar nada. Na verdade, as séries são tão populares porque respondem ao hábito da percepção serial. No nível do consumo de mídia, a percepção serial leva a farras de televisão”, escreveu Han.

A percepção simbólica é aquela que vai além das formas e penetra no conteúdo, inclui os símbolos ocultos por trás das aparências.

Não é uma percepção simples, mas implica refletir, além de buscar significados compartilhados. Não é um olhar fugaz, mas um olhar detido.

Em vez disso, a percepção serial é superficial, é aquela que passa de um estímulo a outro, sem parar por muito tempo, sem fazer perguntas, sem arranhar a superfície. Não vai fundo e, portanto, não deixa marca.

“A percepção serial é extensa, enquanto a percepção simbólica é intensiva. Por causa de seu caráter extenso, a percepção serial presta total atenção. Hoje a intensidade dá lugar à extensão em todos os lugares. A comunicação digital, por exemplo, é uma comunicação extensiva. Em vez de criar relacionamentos, ele apenas faz conexões”, acrescentou Han.

A atenção superficial não deixa espaço para que as coisas e fenômenos se acomodem e, assim, não conseguimos descobrir sua essência. É uma atenção que não permite reflexão nem emoção. Trata-se de ir de flor em flor, sem estabelecer vínculos sólidos ou encontrar significados profundos.

É uma atenção que se acomoda e não aceita se demorar nas coisas, por isso, acaba influenciando a maneira como vivemos.

A atenção superficial compreende pouco e não se aprofunda em nada.

Passeia pelo mundo sem parar para saborear sua essência. Impulsiona-nos a consumir a vida, a apressá-la até à última gota, mas sem gozá-la plenamente, porque não temos tempo para captar a sua essência nem os seus detalhes.

Quanto mais tentamos cobrir, mais perdemos

Han adverte que “o regime neoliberal força a percepção serial e intensifica o hábito serial. Remove intencionalmente a duração para forçar mais consumo.

A atualização constante, que abrange todas as áreas vitais, não permite qualquer duração ou rescisão […] Por isso, a vida torna-se mais contingente, mais fugaz e mais inconstante”.

Quando nossa percepção e atenção se expandem para abranger mais, em vez de nos concentrarmos para nos ajudar a entender melhor, deixamos de construir significados profundos que dão sentido às nossas vidas e não conseguimos terminar nada.

Isso gera uma insatisfação vital que carregamos permanentemente. Mas como não sabemos de onde vem, acreditamos que a solução é consumir cada vez mais, descobrir mais coisas, viajar mais, comunicar mais … Não pensamos que talvez a solução esteja em subtrair. “Essa pressão profana a vida”, diz Han.

Na verdade, a própria pressão para ser feliz gera infelicidade.

Este filósofo pensa que “se a vida é privada do elemento contemplativo, afoga-se no próprio fazer […]

O repouso contemplativo, a quietude e o silêncio são essenciais”. No entanto, “o descanso e o silêncio não têm lugar na rede digital, cuja estrutura corresponde à atenção superficial em série.

A comunidade digital é horizontal. Nada se destaca nisso. Nada vai fundo. Não é intensivo, mas extenso, o que aumenta o ruído da comunicação”.

Quando não há espaço para silêncio e quietude, não há espaço para reflexão. Isso nos leva a viver de forma irrefletida, consumindo grandes quantidades de informações que não nos fornecem nada de relevante, estabelecendo conexões com um maior número de pessoas que não estarão ao nosso lado quando precisarmos ou visitando um maior número de lugares sem chegar até conhecê-los.

A pressa em viver nos rouba a vida.

A necessidade de estar sempre visitando sufoca o familiar.

A atenção superficial afasta nosso reflexo. O compromisso com a quantidade leva-nos a esquecer a qualidade.

Quanto mais abraçamos, mais perdemos.

Órfãos das habilidades que nos permitem permanecer no sofrimento, e nos impedem de encontrar significado e nos divertir, acabamos nos tornando consumidores ávidos de nossa própria vida, em vez de sermos seus arquitetos cuidadosos.

Fonte:

Han, B. (2020) O desaparecimento dos rituais. Pastor: Barcelona.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações RT. Photo by Phạm Duy Quang on Unsplash


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA? O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!