Todos conhecemos casais que se formaram no ambiente de trabalho, ou nós mesmos somos os próprios protagonistas dessa história. Isso porque é no trabalho que a maioria de nós, reles trabalhadores, passa a maior parte de nosso tempo. Reuniões, almoços, cafezinhos, happy hours, trocas de e-mails e mensagens, enfim, ocasiões e pretextos não faltam pra coisa acontecer.

Há quem tenha como regra não se envolver com colegas de trabalho, uma vez que esperadas oscilações de humor em função de um envolvimento poderiam afetar a produtividade e o desempenho. Porém, eventualmente pode rolar um flerte, que despretensiosamente evolui e pode sim virar um namoro sério, apesar de nossas convicções. Administrar os sentimentos e o profissionalismo pode ser um desafio e requer alguns cuidados para evitar fins precoces, tanto dos relacionamentos, quanto dos empregos…

Assim, ao sentir surgir aquela atração pela colega, tenha em mente que a conquista deve ocorrer somente em momentos livres, como intervalos ou após o expediente. No ambiente de trabalho, opte sempre pela discrição, independentemente da reação que ela tenha diante das suas investidas. Isso significa em manter em segredo seu desejo e sentimento, sem comentar com os seus colegas, num primeiro momento. Evite sempre exposições desnecessárias.

Além disso, é preciso ficar atento a uma questão crucial: nem todas as empresas admitem namoros entre funcionários. Algumas podem, inclusive, ter normas internas que proíbem claramente relacionamentos amorosos. Se sua paquera estiver evoluindo, é bom antes de qualquer coisa checar no setor de Recursos Humanos se há alguma proibição nesse sentido. Caso exista, uma violação poderia ser considerada insubordinação do funcionário e justificaria demissão por justa causa.

Se a empresa não se posicionar sobre o assunto, mesmo assim é preciso ter cautela. Caso ocupe um alto cargo alto, cuidado ao se envolver com subordinados. Esse tipo de relacionamento tem potencial de enveredar para o viés do abuso de autoridade, assédio sexual ou até atitude inconveniente, caso não vingue.

Discrição e discernimento devem pautar todas as suas condutas no ambiente de trabalho, mesmo se os relacionamentos não forem vetados. Isso porque nem sempre um casal trabalhando junto agrada a chefes e colegas, podendo ser foco de inveja, fofoca, provocações e levar a situações que têm o potencial de prejudicar suas atividades e do parceiro. Então, nada de demonstrações públicas de afeto, piadinhas, cenas de ciúmes, etc. Além disso, para se comunicar com o paquera, jamais utilize o e-mail corporativo, que é monitorado pela empresa.

Geralmente, quando o relacionamento avança, as pessoas sentem a necessidade de assumí-lo publicamente. Caso seja permitido no seu trabalho, o primeiro passo é comunicar o chefe, preferencialmente por meio de uma reunião. Depois, é a vez dos colegas, que podem ser informados em um momento informal como um happy hour.

Após assumirem o relacionamento, cabe manter a postura discreta e profissional, para evitar interferências nocivas sobre o trabalho e o próprio namoro. O mais importante é manter o bom senso para não deixar o clima de sedução atrapalhar o seu desempenho e o rendimento de outros funcionários.

Já passou por isso? Conte pra nós que fim levou seu relacionamento, ou seu trabalho…

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!