Empresa dispensa jovem por “sorrir muito” em entrevista: “Não nos parece muito profissional”. O encarregado respondeu que “não é nada pessoal (…)

“Às vezes, ser extrovertido denota falta de compromisso e seriedade”, escreveu a jovem em um post.

A jovem explicou que na época ficou com raiva, mas agora “a risada está mais alta do que nunca”. Gosto de ser positiva”, disse ela.

As entrevistas costumam ser um dos desafios mais difíceis para quem procura emprego, pois podem influenciar muito a decisão final de uma empresa de contratar ou não o trabalhador. É por isso que, quando os candidatos passam por esse processo, muitas vezes, sentem estresse, desconforto e, às vezes, ansiedade, porque sentem a pressão de responder “corretamente”.

Foi o que aconteceu com María Fernández Jaime, uma argentina de 26 anos que passou por uma péssima experiência em uma entrevista de emprego, depois que não foi descartada por “sorrir demais” , como ela mesma se explicou em seu LinkedIn.

A jovem havia se inscrito há um mês para trabalhar em uma empresa, mas infelizmente não permaneceu no cargo. O mais inusitado veio depois, quando ela recebeu o e-mail com os motivos pelos quais não havia sido contratada.

“Os profissionais não sorriem’, basicamente me disseram que neste e-mail (…) ‘Você sorriu demais, você riu, foi muito legal”, escreveu María em sua publicação.

Além disso, disseram-lhe que “não é nada pessoal, apenas acreditam que sorrir demais pode afetar o desempenho da sua carreira no futuro. É apenas um conselho, às vezes ser extrovertido denota falta de compromisso e seriedade.”, dizia o email.

jovem nao foi contratada porque sorri demais - Empresa dispensa jovem por "sorrir muito" em entrevista: "Não nos parece muito profissional"
Maria Manuela Fernandez Jaime

Quando ela leu pela primeira vez o e-mail enviado a ela pela pessoa responsável pela entrevista, ela acrescentou que ficou com raiva.

“Mas agora eu rio mais. Acho que a minha risada está mais alta do que nunca. Gosto de ser positiva, de ver o copo cheio, de ver o que há de bom nas situações e nas pessoas”, escreveu ela.

Apesar da má experiência que teve com aquela empresa, Maria disse que não perdeu a confiança em si mesma e não se importa com o que pensam sobre seu desempenho no trabalho.

“Em meus 6 meses de experiência aprendi a criar um ambiente amigável e descontraído. Acredito sinceramente que uma pessoa confortável fala mais, em qualquer situação em que esteja”, escreveu ele .

A jovem brincou sobre sua situação com a entrevista de emprego e admitiu que era “esquisita, uma graduada que ri”. Além disso, ele acrescentou “Achei que ele sorrisse para sempre, e não apenas pela foto”.

O que você acha da decisão da empresa?

*DA REDAÇÃO HP. Com informações UPSOCL.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA? O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!