Estado mental de alto risco. Como identificar os primeiros sinais psicóticos!

A detecção precoce é muito importante na maioria dos quadros clínicos. Nesse caso, estamos falando sobre a detecção precoce do estado mental de alto risco e como isso ajuda a reduzir a probabilidade de desenvolver psicose.

O termo psicose é usado para se referir a transtornos mentais caracterizados por uma certa perda de contato com a realidade. Pode afetar pessoas de qualquer idade e, felizmente, existem opções de tratamento.

No entanto, para abordá-lo corretamente, a detecção precoce é essencial. Detectar um estado mental de alto risco pode ajudar a prevenir e tratar um futuro episódio psicótico .

A psicoeducação adequada pode ajudar as pessoas com maior risco de desenvolver psicose a detectar os sintomas iniciais para tratá-los o mais rápido possível, o que melhora o prognóstico do quadro.

Os sintomas geralmente incluem pequenas mudanças no comportamento ou na maneira como as experiências ou sentimentos são descritos. Alguns “sintomas premonitórios” são os seguintes:

– Mudanças de humor: raiva, irritabilidade, inquietação;

– Distúrbios do sono e mudanças na dieta;

– Perda de energia, incapacidade de se concentrar e tomar decisões;

– Percepção de que o ambiente mudou (atmosfera delirante);

Retirada e isolamento social;

O que é o estado mental de alto risco (HRMS)?

O conceito de estado mental de alto risco não é um diagnóstico clínico e, portanto, não está incluído nos manuais de diagnóstico DMS-5 e CID-10. Surge em 1995 na Austrália, pelas mãos dos psiquiatras Patrick McGorry e Alison Yung. É usado para descrever estados nos quais a psicose é mais provável de se desenvolver e, portanto, é um ‘diagnóstico’ um tanto controverso.

No entanto, o DSM-5 inclui a síndrome da psicose atenuada entre as condições que precisam de mais estudos . Os sintomas disso incluem pelo menos um dos seguintes sintomas:

-Delírios;

-Alucinações;

-Discurso desorganizado;

Estes estão presentes de forma atenuada e com um julgamento relativamente intacto da realidade, mas com frequência e gravidade que requerem atenção clínica. Eles aparecem pelo menos uma vez por semana e começaram ou pioraram no último ano.

Para considerar que uma pessoa tem um estado mental de alto risco, três critérios devem ser levados em consideração:

Sintomas positivos atenuados.
Eles não são graves ou persistentes o suficiente para preencher os critérios para um episódio psicótico.

História familiar de transtorno psicótico em parente de primeiro grau (pai, mãe) ou transtorno esquizotípico do sujeito, além de declínio funcional persistente ou significativo no último ano.

Sintomas psicóticos intermitentes breves e limitados ( BLIPS ) com duração não superior a 1 semana e resolução espontânea.

O estado mental de alto risco pode ser avaliado usando vários instrumentos, sendo os mais importantes a entrevista estruturada para síndromes prodrômicas -SIPS, por McGlashan, Miller, Woods- e a entrevista de avaliação abrangente para estados mentais de alto risco, CAARMS – desenvolvida na Austrália por Young e McGorry et al.

Como intervir no estado mental de alto risco?

Para atender adequadamente as pessoas com ARMS, o tratamento deve ser individualizado e baseado em uma aliança terapêutica adequada . Deve ser capaz de oferecer ao paciente estratégias de enfrentamento dos sintomas e informações claras e honestas sobre a possibilidade de desenvolver psicose.

Também é importante ter em mente que a intervenção deve ser realizada, na medida do possível, fora de um ambiente estigmatizante (como um centro de saúde mental). Todo tratamento deve oferecer ao paciente o seguinte:

– Terapia cognitivo-conductual;

– Tratamento farmacológico quando necessário;

– Educação e intervenção no uso de substâncias;

Intervenções sociocomunitárias: orientação e apoio escolar e laboral e apoio nas atividades da vida diária.

Alguns dos programas desenvolvidos com o objetivo de detectar precocemente os sintomas para intervir sobre eles são os seguintes:

– PACE (Avaliação Pessoal e Avaliação de Crise)

É uma clínica pioneira na pesquisa e tratamento de pessoas com estados mentais de alto risco . Realiza intervenções de psicoeducação familiar, terapia cognitivo-comportamental, abuso de substâncias e treinamento de habilidades sociais, entre outros.

– RAP (Reconhecimento e Prevenção)

É um programa de pesquisa que aborda as preocupações de pessoas entre 15 e 30 anos, que consultam preocupadas com mudanças de pensamentos, sentimentos, comportamentos e funcionamento social.

Uma equipe de saúde mental oferece atendimento para sintomas que podem ser sinais de alerta precoce de um episódio psicótico.

– PRIME (Prevenção Através da Identificação, Gestão e Educação de Riscos)

Aborda pessoas entre 12 e 40 anos que experimentam mudanças preocupantes em seus pensamentos, experiências ou sentimentos. Os fatores de risco para o desenvolvimento de psicose incluem: desconfiança, pensamentos ou comportamentos estranhos, aumento da dificuldade no trabalho ou na escola e mudanças nas emoções.

– P3 (Programa de Prevenção de Psicose)

O programa P3, desenvolvido na Espanha, tem três propósitos fundamentais:

Empregar estratégias de avaliação precoce e detecção de indivíduos em risco, ou propensos a desenvolver psicose, em centros de atenção primária e serviços de saúde mental.

Realizar intervenções cognitivo-comportamentais e tratamento farmacológico de baixa dose adequado a cada caso particular.

Realizar acompanhamento dos sujeitos tratados para avaliar a eficácia das intervenções realizadas.

Uma abordagem correta do estado mental de alto risco reduz a probabilidade de desenvolver psicose

Conforme afirma a OMS, os programas de prevenção visam neutralizar os fatores de risco e reforçar os fatores de proteção ao longo da vida de uma pessoa, a fim de interromper os processos que contribuem para a disfunção mental humana.

A intervenção precoce permite minimizar a deterioração do funcionamento psicossocial, retardando, reduzindo ou impedindo a evolução para a psicose.

Pesquisas mostram que tratamentos combinados (terapia psicológica e antipsicóticos) na fase de risco reduzem a taxa de transição para psicose de 40% para 26%.

Por esse motivo, o acesso rápido aos serviços de saúde mental deve ser privilegiado em primeiro lugar para facilitar a detecção precoce. Isso acontece reduzindo o período de psicose não tratada (os “dias de espera”).

Em segundo lugar, a manutenção da atenção integral deve ser garantida continuamente durante o período crítico (5 anos).

Por fim, a psicoeducação, oferecida tanto aos pacientes quanto a seus familiares, permite que eles aprendam em que consistem os estados mentais de alto risco e como detectá-los, quais opções de tratamento estão disponíveis, estratégias específicas para gerenciar os sintomas e outras formas de tratamento.

É preciso estar atento aos sinais para que não aconteça um dano maior a saúde física, mental e emocional da pessoa e daqueles com quem ela convive!

*DA REDAÇÃO HP. Com informações LLM.

*Foto de Wesley Tingey no Unsplash.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!