Uma fratura é basicamente a quebra estrutural da continuidade de um osso. Pode ocorrer devido a torções, esmagamento, excesso de esforço (fraturas por estresse), traumas e até espontaneamente, no caso de baixa densidade óssea por doenças, tal como a osteogênese imperfeita. As macaquices na infância, acidentes na juventude, osteoporose na terceira idade são algumas das maiores causas de fraturas, por isso é bastante comum cruzar por aí com pessoas “engessadas”. Aqueles que se vangloriam de nunca terem dado o braço a torcer e a gessar que se cuidem para não “quebrar a cara”, pois é preciso prevenir o aparecimento da osteoporose.

Sozinha, a doença é responsável por mais de 1.5 milhões de fraturas anualmente (uma em cada quatro mulheres após os 65 anos), incluindo: 300 mil fraturas de quadris, 700 mil fraturas vertebrais, 250 mil fraturas de punho e 300 mil fraturas em outras regiões)… E mais, estudos apontam que uma em cada duas mulheres, e um entre oito homens com idade acima de 50 anos terão ao menos uma fratura em decorrência da osteoporose durante a vida. Então é bom se cuidar: 15 minutos de sol diariamente (antes das 10 e após as 15hs) e a ingestão equilibrada de cálcio (presente no leite, queijos, iogurtes, alface, espinafre, ameixa, figo, brócolis, soja…) e vitamina D (presente em peixes gordurosos, gema do ovo, cogumelos e fígado) são as melhores formas de cuidar do esqueleto!

Algumas fraturas são especialmente mais complicadas, como as que acometem a coluna vertebral e o fêmur, especificamente, no caso de idosos. Cuidados são redobrados para não comprometer a mobilidade ou a vida dos pacientes. Na eventualidade de um acidente de trânsito, por exemplo, é aconselhado a não manipular o acidentado, pois caso haja alguma lesão na coluna, ele poderá ter seu quadro agravado com a movimentação. Apenas profissionais treinados devem remover a pessoa do veículo, bem como transportá-la ao hospital mais próximo.

Além dessas fraturas mais delicadas, é importante atentar para o fato de que os ossos são circundados por tecidos moles, a ocorrência de uma fratura pode provocar uma lesão nesses tecidos e até órgãos, trazendo consequências mais sérias. Por isso, sempre que houver suspeita de fratura é preciso procurar atendimento médico especializado o mais rápido possível.

O tratamento vai depender do tipo de fratura de cada paciente, em função do local, da irrigação sanguínea, da gravidade – se é fechada ou aberta, da idade do paciente e de sua condição clínica atual. Eventualmente, pode se fazer necessária intervenção cirúrgica, ou apenas imobilização do osso fraturado. Em alguns casos não é necessário imobilizar, mas apenas evitar movimentar a região por certo período. A fisioterapia é um excelente coadjuvante na reabilitação do paciente, auxiliando na recuperação de músculos e estruturas envolvidas no local. No entanto, apenas o médico está capacitado para fazer esta avaliação do diagnóstico da fratura e a prescrição do tratamento.

Fique atento aos Sintomas de uma Fratura:

Dor, inchaço no local, dificuldade de movimentação, sensação de atrito das partes ósseas no local da fratura, além de posição anormal da região atingida sinalizam a ocorrência de uma fratura.

Em caso de suspeita, evite mexer a área e procure atendimento médico especializado.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!