Homens são convocados a se unirem à luta pelo fim da violência contra as mulheres!

Líderes globais defendem a responsabilidade masculina na luta pelo fim da violência contra as mulheres no Fórum de Igualdade de Geração em Paris.

Em um evento de alto nível no último dia do marco do Fórum de Igualdade de Geração em Paris, líderes da ONU, feministas e ativistas jovens, formuladores de políticas e influenciadores pediram aos homens em todos os lugares do mundo que se responsabilizassem na luta pelo fim da violência contra as mulheres.

A urgência desta chamada é colocada no contexto da pandemia COVID-19, que desencadeou escaladas na violência de gênero contra mulheres e meninas.

Em todo o mundo, a violência física e sexual, violência doméstica, feminicídio, tráfico, casamento infantil e mutilação genital feminina aumentaram exponencialmente, ultrapassando níveis já alarmantes.

Por exemplo, em 2020, as ligações para linhas de apoio aumentaram em até cinco vezes em alguns países durante as primeiras semanas do surto do coronavírus, enquanto em outros as mulheres não conseguiram buscar ajuda, abrigadas no local com seus agressores.

“A violência de gênero em todas as suas complexidades é uma expressão das estruturas de poder existentes com base na idade, gênero, raça, orientação sexual, religião e cultura”, explicou Diipa Khosla, modelo e cofundadora da Post for Change, uma organização que está se comprometendo a construir uma coalizão de influenciadores de mídia social para apontar injustiças, enfatizar conceitos de respeito mútuo e promover noções de igualdade.

Os palestrantes do evento destacaram o importante papel que homens e meninos devem desempenhar para acabar com as desigualdades de gênero.

“Vou ter certeza de dar um grande exemplo para meu filho e para meu irmão. Eu não vou apenas dizer a eles como viver, mas também mostrar a eles como viver, para que minha filha não tenha que ser protegida. Para que minha filha se sinta segura”, explicou Siya Kolisi, Capitão Sul-Africano do Rúgbi e Advogado Global da ONU para a Iniciativa Spotlight.

Ao assumir responsabilidades e responsabilidades, homens e meninos podem desafiar os privilégios masculinos e as masculinidades prejudiciais, e as formas violentas com que essas normas se manifestam na sociedade.

“Meu apelo aos homens em todo o mundo é que eles devem saber que acabar com a violência contra as mulheres não é um problema feminino, é um problema global. É um problema de todos e os homens devem responsabilizar-se ”, disse a Embaixadora Regional da Boa Vontade da ONU para a África, Jaha Dukureh.

A discussão explorou os esforços exigidos de homens, organizações e líderes políticos para alcançar a mudança, instando esses atores a redobrar seus esforços.

Referindo-se à violência de gênero como “a emergência nacional” para todos os países, o secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou os Estados-membros da ONU a se unirem a ele no apoio a soluções comprovadas e esforços contínuos para acabar com a violência contra mulheres e meninas, como a Iniciativa Spotlight, que está “mostrando que é possível entregar resultados de alta qualidade para mulheres e meninas, mesmo durante as restrições da pandemia”.

A Generation Equality Action Coalition on Gender-Based Violence está liderando um grande esforço para garantir compromissos para acabar com a violência contra as mulheres.

“A Islândia assumiu um papel de liderança na Coalizão de Ação contra a Violência de Gênero”, disse Guðni Th. Jóhannesson, Presidente da Islândia, destacando o catalisador do trabalho da Action Coalitions.

“Vimos em primeira mão como a sociedade progride quando o desequilíbrio de poder entre mulheres e homens é reduzido e desejamos ver o mesmo progresso alcançado globalmente.”

A Islândia comprometeu US $ 1 milhão para melhorar o trabalho de prevenção e resposta à violência de gênero por meio do envolvimento de homens e meninos e da transformação de masculinidades prejudiciais.

O evento aconteceu em 1º de julho de 2021, os líderes e tomadores de compromisso da Coalizão de Ação contra a Violência Baseada em Gênero se reuniram no Fórum de Igualdade de Geração para anunciar seus compromissos revolucionários para garantir que mulheres e meninas possam viver livres da violência. Um painel de discussão em 2 de julho explorou o papel que as forças policiais devem desempenhar no combate à violência de gênero.

Em todo o mundo, apenas 1 em cada 10 mulheres sobreviventes de violência procuram ajuda da polícia, muitas vezes devido às atitudes de culpabilização das vítimas por policiais do sexo masculino.

Pamela Zaballa, Diretora Executiva Global da NO MORE, explicou que o policiamento com perspectiva de gênero apresenta uma solução importante, afirmando que “uma força policial com perspectiva de gênero em cada interação demonstra que a violência doméstica e sexual são crimes e que esses crimes são levados a sério”.

A sessão apresentou uma visão para o futuro caracterizado pela igualdade de gênero, respeito e não violência.

“A violência contra mulheres e meninas não será combatida se não agirmos juntas. Convido você, homem, a se juntar a mim no compromisso e na ação para acabar com a violência contra mulheres e meninas hoje, para que nosso futuro seja melhor”, exortou a Rapper brasileira, MC Soffia, de 17 anos, que foi uma das figuras públicas convidadas para o evento.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações UW


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA? O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!