Impor limites aos filhos não é ser rígido! É direcioná-los para um bom caminho!

Aqui está uma receita infalível para o conflito: misture um dos pais (cujo trabalho é fazer regras) e um filho (cujo trabalho é questionar as regras). A luta pelo poder resultante pode transformar um lar feliz em uma zona de guerra em segundos e levar uma pessoa anteriormente racional à beira da insanidade.

Às vezes é tentador promulgar a lei marcial – ou ir ao outro extremo e dispensar as regras por completo.

Todos sabemos o que acontece quando os pais não estabelecem limites. Eles acabam criando crianças rebeldes que ninguém gosta de ter por perto.

E os pais que impõem regras rígidas, sem espaço para concessões?

Eu odeio dizer isso a eles, mas adivinha quem é a filha que está escapando de casa com uma blusa pequena escondida na bolsa?

Definir regras justas e aplicá-las consistentemente são duas das coisas mais difíceis – e mais importantes – que um pai pode fazer por um filho.

Mas muitas vezes, os pais estabelecem regras conscienciosamente, apenas para que seus pequenos testadores de limites, adulem, ameacem, chorem e, no final das contas, os acusem de arruinar suas vidas.

Como cada família e situação são únicas, os pais muitas vezes sentem que não há a quem recorrer para obter respostas.

Os desafios

Considere estas situações da vida real que soarão familiares até mesmo aos melhores pais:

“Às vezes, entro no ciclo de discussões com minha filha. Depois fico enojado de mim mesmo por não insistir em minhas armas e permitir que a atitude dela me influencie!

Infelizmente, às vezes isso acaba me deixando tão frustrado que estabeleço a lei da raiva. Ela dura alguns dias, depois deixo passar de novo! Sou mãe solteira (viúva) há 10 anos. Sempre achei que estava tentando compensar alguma coisa.”

“Muitas vezes eu sei no meu coração que deveria ter dito ‘Não’ e me agarrado à minha decisão. Mas, quando você tem um filho brilhante e eles apresentam vários motivos pelos quais sua resposta deveria ser ‘sim’, é difícil dizer ‘não’.”

“Se eu ousar dizer ‘Não’ e seguir minha decisão, então sou a ‘mãe mais cruel’ em toda a nossa comunidade. Recebo uma lista verbal de todas as outras mães que disseram ‘sim’ e como eu sou a ‘única’ mãe que diz ‘não’ … ”

“Minha filha de 17 anos pode fazer com que eu me sinta tão aborrecido às vezes. ‘Outros pais não são tão controladores’ é o que ouço, ou ‘Estou de férias, por que não posso dormir o dia todo e conversar com meus amigos durante a noite?’ Isso me faz sentir como se eu fosse a única mãe que se preocupa com seu filho, já que ‘os outros pais não se importam …”

Os pais devem andar na linha tênue

O que um pai deve fazer? Você não quer ser um valentão autoritário, mas depois de abrir a porta para a discussão, você está perdido.

Os especialistas dizem aos pais para serem firmes e consistentes, mas também enfatizam a importância de serem flexíveis e dispostos a negociar com os filhos.

Isso não é contraditório?

Não de acordo com Robert Brooks e Sam Goldstein, autores de “Raising Resilient Children”:

“Consistência não é sinônimo de rigidez ou inflexibilidade. Uma abordagem consistente para a disciplina convida a modificação cuidadosa das regras e consequências, como quando uma criança chega à adolescência e pode ficar fora até mais tarde nos fins de semana.

Quando as modificações são necessárias, elas devem ser discutidas com seus filhos para que entendam as razões das mudanças e possam oferecer sugestões.”

Definir regras que as crianças seguirão é uma luta milenar. Mas, com criatividade, amor e infinita paciência, você sairá vivo dessa! A educadora de pais e autora Nancy Samalin diz:

“É normal que as crianças testem nossos limites – tanto em palavras quanto em ações. Estabelecer independência da autoridade adulta é uma maneira saudável de as crianças encontrarem seus próprios estilos.

A questão é como os pais podem trilhar a linha complicada de permitir que seus filhos expressem seus sentimentos e, ao mesmo tempo em que afirmam sua autoridade como pais e estabelecem os limites necessários.”

O ponto principal é que os pais precisam estar no comando, mas também devem estar dispostos a ouvir os filhos e preparados para fazer mudanças nas regras quando for necessário.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações Family Education.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!