Mulher trans sonha em ser freira, mas os mosteiros não a aceitam: “Se for preciso, irei ao Papa”

Eefje Spreuters nasceu ainda menino em uma família altamente religiosa que lhe incutiu os valores do catolicismo. É por isso que ela decidiu seguir uma carreira na Igreja, mas em um mosteiro, na esperança de ser respeitada por quem ela realmente é.

A fé em uma religião é algo altamente individual e seu direito de professá-la deve ser garantido em qualquer lugar, desde que não viole os direitos ou liberdades de outrem.

Mesmo assim, cada religião tem seus rituais, normas e tradições internas, que geralmente são escritas há milhares de anos, por isso, às vezes, as sociedades avançam em um ritmo diferente a esses dogmas causando, em alguns casos, polêmica.

Agora a Igreja Católica enfrenta o dilema de se abrir mais para a inclusão, depois que uma mulher trans denunciou não ser aceita por querer ser freira.

Eefje Spreuters nasceu há 46 anos como homem, mas se considerou abertamente uma mulher por 15 meses , após viver anos sofrendo de disforia de gênero.

Ela cresceu em um lar muito religioso e sempre viu no catolicismo uma oportunidade de viver devotada à fé, sonhando em ser educada em um mosteiro. No entanto, os líderes rejeitam suas inscrições, apesar do fato de que muitas freiras esclareceram sua motivação para que ele ingressasse.

Em entrevista à emissora holandesa Radio 2, Eefje garantiu que não estaria infringindo nenhuma norma eclesiástica, já que o código que ainda o rege foi escrito em um momento em que o debate trans não era cogitado e, portanto, não proibido.

Ou seja, segundo Eefje, não há razão que a exclua necessariamente por ser transgênero e que casos como este já ocorreram, quando um padre franciscano se tornou mulher ainda dentro da Igreja e Roma não podia recusar. “Irei ao Vaticano e falarei com o Papa se necessário”, disse a freira.

Por outro lado, Rik Torkf, advogado da Igreja, afirma que não há motivo para Eefje não participar da Igreja, mas deve fazê-lo sob seu sexo biológico, pois este código visa respeitar o gênero com o qual nasceu.

Embora Spreuters não possa entrar em um mosteiro para se tornar freira, não há problema em seguir sua carreira religiosa, mas com o objetivo de se tornar um padre ou assistente paroquial.

Torkf garante que o debate da comunidade transgênero não é algo que a Igreja omite, é mais, ele diz que há 10 anos nos Estados Unidos é convidado a incluir fiéis da comunidade LGBT.

1 300x169 - Mulher trans sonha em ser freira, mas os mosteiros não a aceitam: "Se for preciso, irei ao Papa"
VRT

No momento, parece que a mulher de 46 anos terá um longo caminho a percorrer para fazer valer o que acredita ser seu direito na Igreja.

Ela sonha em ser freira, não por capricho, mas porque sente que é a coisa certa a fazer por causa de como ela se sente. Suas intenções de falar com o Papa são reais e ele espera obter a bênção do líder máximo da Igreja Católica.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações UPSOCL


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!