Não buscamos mais a verdade, queremos apenas certezas, segundo Hannah Arendt

A pós-verdade é aquela ladeira escorregadia na qual fatos objetivos influenciam menos a opinião pública do que emoções e crenças pessoais. Uma área em que a realidade dá lugar a sensações, intuições, emoções e, claro, à manipulação midiática, política e social. Nesse campo, o relativismo triunfa enquanto os limites entre verdade e mentira são perigosamente borrados.

No entanto, não é um fenômeno novo. Muito antes de falarmos em pós-verdade ou mesmo concebermos esse conceito, Hannah Arendt já se referia à desfactificação, que seria a incapacidade de discernir fato de ficção e mera opinião. Em 1971 ela publicou um ensaio chamado “Lies in Politics”, que ela escreveu – entre indignada e desapontada – logo após os Documentos do Pentágono sobre o governo Nixon e seu manejo da Guerra do Vietnã virem à tona.

Ele então disse: “Nossa vida cotidiana está sempre em perigo de ser perfurada por mentiras individuais ou dilacerada pela mentira organizada de grupos, nações ou classes, bem como negações ou distorções, muitas vezes cuidadosamente encobertas por montes de inverdades ou simplesmente descartadas. no esquecimento”.

Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência. Suas palavras continuam a ressoar muito atual.

Distorção, o risco de transformar fatos em opiniões

“O sujeito ideal do governo totalitário não é o nazista convicto ou o comunista devoto, mas as pessoas para quem a distinção entre fato e ficção e a distinção entre verdadeiro e falso não existe mais”, explicou Arendt.

É claro que “essa distinção não se erode da noite para o dia, mas emerge, entre outras coisas, da mentira contínua:

O resultado de uma substituição constante e total da verdade factual pela mentira não é que as mentiras sejam agora aceitas como verdade e a verdade caluniada como uma mentira, mas sim o sentido pelo qual nos orientamos no mundo real, e a categoria de verdade versus falsidade, é destruída”.

Arendt diz que a desfactualização ocorre quando perdemos a capacidade de distinguir a realidade da construção, o verdadeiro do falso.

De fato, o filósofo estabelece uma importante diferenciação entre verdade, que corresponde e reflete a realidade, e significado, que é relativo e moldado por nossas interpretações subjetivas, que por sua vez dependem de nossas crenças e expectativas, que podem ser manipuladas.

Ele explica que “a necessidade da razão não se inspira na busca da verdade, mas na busca do sentido. Verdade e significado não são a mesma coisa.

É uma falácia básica interpretar o significado no contexto da verdade. “Muitas vezes, o que inspira a busca não é a verdade, mas o desejo de dar sentido ao que nos acontece, principalmente em um mundo que parece muito caótico e inseguro.

As certezas vivem no reino do significado, não da verdade. A própria noção de “fato alternativo” é um conceito que gera certeza em detrimento da verdade. A propaganda política e a manipulação social baseiam-se muitas vezes na manipulação dos sentidos para gerar as certezas que ansiamos.

Arendt acreditava que é por isso que é tão fácil enganar as massas.

Na verdade, “a falsidade nunca entra em conflito com a razão, porque as coisas poderiam ter sido como o mentiroso diz que foram.

A mentira costuma ser muito mais plausível, mais atraente à razão, do que a realidade, pois o mentiroso tem a grande vantagem de saber de antemão o que seu público quer ou espera ouvir.

Ele preparou sua história para consumo público com o objetivo de torná-la crível, enquanto a realidade tem o hábito desconcertante de nos confrontar com o inesperado, aquilo para o qual não estávamos preparados.”

Ou seja, muitas vezes o desejo de ter certezas e alças para se agarrar em situações de incerteza torna-se o terreno ideal para o crescimento de “fatos alternativos” que dão lugar à mentira.

Essas falsidades têm uma função: elas nos fazem sentir confortáveis. Eles nos dão segurança. Eles removem a dissonância e nos permitem continuar com nossas vidas sem pensar demais. Sem questionar as coisas. Sem se sentir mal.

Estamos mais propensos a acreditar no que queremos ouvir

“Em circunstâncias normais, o mentiroso é vencido pela realidade, para a qual não há substituto. Não importa quão grande seja o tecido de falsidade que um mentiroso experiente construa, nunca será grande o suficiente para cobrir a vastidão da realidade”, apontou Arendt.

No entanto, quando estoura uma guerra, vivemos uma pandemia ou passamos por uma crise econômica, as “circunstâncias normais” a que Arendt se referiu desaparecem para dar lugar a um alto nível de incerteza.

Nessa condição somos mais vulneráveis ​​à manipulação porque tendemos a priorizar a busca da certeza sobre a verdade.

É mais provável que acreditemos nesses “fatos alternativos” que alguém nos conta porque isso nos poupa do trabalho árduo de buscar a verdade, assumir responsabilidades e enfrentar as consequências.

Portanto, para Arendt, a desfactualização não ocorre em uma direção, não é uma mentira imposta pelo poder, mas uma falsidade consensual entre aqueles que não estão dispostos a participar do trabalho de pensamento crítico necessário para chegar à verdade, não querem mude suas agendas pessoais, saia da sua zona de conforto ou abandone crenças pré-existentes. A desfactualização, portanto, está enraizada na ignorância motivada de muitos.

“Fatos alternativos não são simplesmente mentiras ou falsidades, mas falam de uma mudança significativa na realidade factual compartilhada que tomamos como certa […] sentido subjetivo: um ‘parece-me’ que persiste indiferente ao que parece aos outros”.

A realidade é despojada dos fatos para entrar no campo do discutível e manipulável. Quando as opiniões recebem o mesmo peso que os fatos, não surpreende que acabem por suplantá-las no discurso social e até na história.

Claro, há um momento em que essa desfactualização se volta contra nós: “ o ponto sempre vem além do qual a mentira se torna contraproducente.

Este ponto é alcançado quando o público-alvo das mentiras é forçado a ignorar completamente a linha entre a verdade e a falsidade para sobreviver.

“Verdadeiro ou falso deixa de ter importância se sua vida depende de você agir como se fosse verdade. Então a verdade em que se pode confiar desaparece completamente da vida pública e, com ela, o principal fator estabilizador nos assuntos sempre inconstantes dos homens”. Há pouco mais a acrescentar.

Fonte: Arendt, H. (1971) Mentir na política: reflexões sobre os papéis do Pentágono. In: The New York Review.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações RT.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!