O castigo da indiferença dói muito mais do que um tapa.

A indiferença é um dos piores tratamentos que podemos receber, dadas suas consequências devastadoras.

A indiferença é uma forma de agressão psicológica. É tornar alguém invisível, é anulá-lo emocionalmente e vetar sua necessidade de conexão social para conduzi-lo a um limbo de verdadeiro vazio e sofrimento.

Esta prática, como já sabemos, abunda em muitos dos nossos contextos: a vemos nas escolas, nas relações de casal, na família e até entre grupos de amigos.

Falta de comunicação, evasão, micção expressamente, tratamento frio … Poderíamos dar mil exemplos de como se realiza a prática da indiferença, mas o efeito é sempre o mesmo: dor e sofrimento.

A dor daquela criança que, sentada em um canto do pátio, vê que é ignorada pelo resto de seus colegas. E o sofrimento também daquele casal que, de um dia para o outro, percebe como seu ente querido deixa de mostrar a correspondência emocional de antes.

“O oposto do amor não é o ódio, é a indiferença. O oposto da beleza não é feiúra, é indiferença. Por sua vez, o oposto da fé não é heresia, é indiferença. E o oposto da vida não é a morte, mas a indiferença entre a vida e a morte”. Elie Wiesel

Ninguém está preparado para habitar esse vazio social onde os outros passam por nós como se fôssemos uma entidade sem forma. Nossas emoções, nossas necessidades e nossa própria presença estão aí e exigem atenção, anseiam por carinho, respeito … para serem visíveis para o resto do mundo.

Como lidar com essas situações?

Indiferença, invisibilidade social e dor emocional

A definição de indiferença é bastante simples à primeira vista: denota falta de interesse, preocupação e até falta de sentimento.

Agora, além das definições do dicionário, estão as implicações psicológicas. Existem, por assim dizer, aqueles universos pessoais onde certas palavras são mais relevantes do que outras. O termo “indiferença”, por exemplo, é sem dúvida um dos mais traumáticos.

Assim, há quem não hesite em dizer que o oposto da vida não é a morte, mas a despreocupação, e aquele vazio absoluto de sentimentos que conformam, claro, a indiferença. Não podemos esquecer que nossos cérebros são fruto da evolução, onde a conexão social e o pertencimento a um grupo nos fizeram sobreviver e avançar como espécie.

Interagir, comunicar, ser aceito, valorizado e valorizado nos coloca no mundo. Esses processos básicos de um ponto de vista relacional nos tornam visíveis não apenas para o nosso ambiente, mas também para nós mesmos.

É assim que moldamos nossa auto-estima , bem como moldamos nossa identidade. A falta desses nutrientes gera consequências graves, implicações que é preciso saber.

Indiferença gera forte tensão mental

As pessoas precisam “ler” nos outros o que significam para elas. Precisamos de certezas e não de dúvidas.

Almejamos reforços, gestos de apreço, olhares de boas-vindas, sorrisos que partilhem cumplicidades e emoções positivas … Tudo isto molda essa comunicação não verbal onde estão embutidas aquelas emoções que gostamos de perceber no nosso quotidiano.

Não vê-los, percebendo apenas uma atitude fria, causa ansiedade, estresse e tensão mental.

Confusão

A indiferença, por sua vez, gera outro tipo de dinâmica exaustiva, a saber, um mecanismo básico da consciência humana é quebrado: o mecanismo de ação e reação. Cada vez que agimos de determinada maneira, esperamos que a outra pessoa reaja de acordo.

Embora às vezes essa reação não sej o que esperávamos, é muito difícil entender sua total ausência.

A comunicação torna-se impossível e a tentativa de interação é forçada e desgastada. Tudo isso nos confunde e nos mergulha em um estado de preocupação e sofrimento.

Causa baixa autoestima

Por não obtermos qualquer tipo de resposta, reforço de outras pessoas, qualquer feedback que possamos ter é cortado. Nos estágios de formação da personalidade, isso pode afetar seriamente a autoimagem.

É provável que a pessoa que recebeu indiferença nesses estágios passe a acreditar que não vale a pena interagir com eles, gerando uma forte insegurança.

Como reagir a quem me trata com indiferença?

Pessoas, como seres sociais que somos e, por sua vez, dotados de necessidades emocionais, aspiramos estabelecer uma relação de convivência constante com os nossos entes queridos: família, amigos, companheiro …

Se a qualquer momento começarmos a perceber silêncios, vazio, frio e despreocupação, nosso cérebro (e especificamente nossa amígdala) entrará em pânico. Nos alertará de uma ameaça, de um medo profundo e evidente: o de perceber que não somos mais amados, apreciados.

O mais razoável nessas situações é entender o que está acontecendo.

Essa desconexão emocional sempre tem uma origem e, como tal, deve ser esclarecida para que possamos agir de acordo.

Se houver um problema o enfrentaremos, se houver um mal-entendido iremos resolvê-lo, se houver falta de amor, assumiremos e tentaremos seguir em frente. Porque se há uma coisa que fica clara é que ninguém merece viver na indiferença, nenhuma pessoa deve se sentir invisível em nenhum ambiente social, seja em sua própria casa, no trabalho etc.

Há também um aspecto que precisa ser considerado.

A indiferença há muito projetada em alguém em particular ou em um grupo é uma forma de abuso. Além disso, um estudo realizado na Universidade da Califórnia mostrou que este tipo de dinâmica baseada na exclusão e indiferença gera dor e angústia . É um sofrimento que transcende nossas emoções para chegar também ao nosso corpo.

“Ser falado é horrível. Existe algo pior: o que eles não falam”. Oscar Wilde

O último recurso: fugir

Se lutar por esse relacionamento, se investir mais tempo e esforço nessa ou naquela pessoa nos traz o mesmo resultado, o mais saudável é ir embora.

Se perceber que estas consequências nefastas (cansaço, baixa autoestima …) já se “instalam” em ti, é urgente que renuncie a uma relação estreita com essas pessoas e procure a proximidade com os outros, por quem é importante.

Junte-se a grupos onde você é ouvido e onde sua forma de ser é valorizada. Romper uma relação de indiferença lhe dará uma nova perspectiva do mundo e contribuirá para o seu desenvolvimento pessoal.

*DA REDAÇÃO HP.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!