A palavra “meditação” vem do latim “meditatum”, que significa ponderar. Acredita-se que tenha surgido há cerca de 3 mil anos antes de Cristo. Com o tempo, diversas religiões passaram a adotar a prática, como o Budismo, o Hinduísmo e o Judaísmo. O objetivo era o de entrar em contato com a própria essência e evoluir espiritualmente.

A partir do século 20, a meditação foi difundida no Ocidente, mas foi só a partir da década de 60 que seus benefícios começaram a ser estudados. Com isso, a prática passou a ser adotada por celebridades como os Beatles, na década de 70 e por atletas e empreendedores a partir dos anos 90.

Os adeptos da meditação conhecem muito bem os benefícios que a prática traz, mas para muitos ainda é um assunto cheio de mistérios. Para desvendar a forma como meditar pode de fato trazer benefícios, alguns estudos focaram sobre o tema.

Uma pesquisa conduzida pelo professor de Harvard Dr Hebert Benson, em 1967, concluiu que pessoas em estado meditativo usavam cerca de 17% menos oxigênio. Além disso, tinham a pressão sanguínea mais baixa e apresentavam um aumento na produção de ondas cerebrais.

Com isso, a meditação passou a ser utilizada como ferramenta para levar ao relaxamento e melhora da saúde física e mental de seus praticantes.

O que é meditação?

Meditação é um exercício de concentração plena, que promove relaxamento físico e equilíbrio psicológico aos seus adeptos. Enquanto algumas linhas utilizam mantras, outras focam em apenas observar a respiração para conduzir a um estado de fluxo livre de pensamentos. O objetivo é não se deixar envolver por eles, mas deixar que apareçam e minguem por si só.

Como variante da meditação, surgiu o Mindfulness, que passou a focar somente nas descobertas científicas sobre os benefícios da prática. Não usa mantras, nem tem a intenção de elevar o espírito. O objetivo é a atingir a atenção plena, por meio do foco nas sensações do corpo (especialmente a respiração), para interromper os pensamentos desordenados e acalmar a mente. Por seus resultados expressivos, tem sido adotada em hospitais, clínicas, escolas, bases militares, em treinamentos de atletas de alto nível e ambientes organizacionais.

Benefícios para a saúde

Entre seus benefícios comprovados pela Ciência, a meditação auxilia em casos de dores persistentes, depressão, doenças crônicas, como hipertensão e diabetes, e até mesmo para tratamento de diversos tipos de câncer.

Num estudo realizado pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e publicado jornal médico The Lancet, em 2016, concluiu-se que a terapia cognitiva baseada em mindfulness mostrou-se tão eficiente quanto o uso de medicamentos antidepressivos na prevenção de episódios recorrentes da doença.

Em uma pesquisa realizada pela Unifesp, foram avaliados um grupo de 140 idosos que praticaram meditação por 2 meses, 2 vezes por semana. Metade dos participantes que seguiu à risca a prática da meditação relatou resultados expressivos:

71,19% tiveram melhorias na postura;

64,41% afirmaram estar respirando melhor;

62,71% sentiram-se mais dispostos;

57,63% sentiram menos dores;

45,76% tiveram melhorias em doenças crônicas (junto com o tratamento convencional);

37,29% relataram mudanças positivas no hábito intestinal.

Adotada de forma correta, a meditação auxilia a promover uma espécie de autocura, reduzindo estresse e ansiedade, dois fatores responsáveis pelo aparecimento de diversas doenças. Em seguida, realizou-se um novo estudo, com pessoas não praticantes, para verificar se meditar realmente aumentava a densidade da massa cinzenta. E os resultados demonstraram que sim. Depois de 8 semanas, o grupo que meditou regularmente apresentou aumento em áreas do cérebro responsáveis pela capacidade cognitiva, a memória e as emoções.

Meditação e Desempenho

Todos sabemos que a habilidade de manter o foco é determinante para quem deseja atingir alta performance, seja nos estudos, esportes ou nos negócios. Para dar conta de equilibrar as demandas do trabalho com a vida pessoal, lidar com a pressão, os riscos, o estresse do dia a dia, é necessária muita energia. Por isso é que em busca do sucesso profissional, muitos empreendedores recorrem à meditação.

Steve Jobs, dono de uma das mentes mais inovadoras que se conhece, era adepto da meditação desde antes da criação da Apple. Ele acreditava que com a prática se tornaria mais intuitivo. Empresas como Google estimulam seus funcionários a formar grupos de meditação e praticar em intervalos no trabalho.

Entre os resultados que relatam com a prática dos funcionários, constam maior velocidade da tomada de decisão, bem como maior produtividade. Entretanto, aumento da criatividade, da sensação de bem estar físico e mental, melhora na qualidade do sono, redução do estresse, são também relacionados à prática contínua da meditação.

Em última análise, a meditação pode ser compreendida como um caminho para se tornar mais pleno e feliz. Pelo fato de seus benefícios se estenderem a todos os aspectos da vida, independentemente da crença religiosa ou atividade profissional de seus praticantes, é que a meditação pode ser uma poderosa ferramenta pessoal para viver melhor.

Estaremos mais aptos a ser felizes na medida em que estamos saudáveis, livres de dores ou limitações, que sentimos que estamos mentalmente bem, com nossas funções cognitivas a pleno vapor, cientes de nós mesmos, com clareza e foco em busca de nossos objetivos. E esses são alguns dos benefícios que a meditação pode trazer.

Interessado em se iniciar na prática? Há múltiplos sites que oferecem cursos e vivências em práticas meditativas, além de eventos para os que já são adeptos. Foque no seu aperfeiçoamento e vá em busca da sua felicidade, seja ela onde estiver!

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!