Por Christine Lavosky e Dra. Lindsey Beck

Olá! Você se pega fazendo uma omelete elaborada enquanto olha para o outro lado do corredor e vê em sua cama bem feita, o pijama listrado de seu parceiro amassado sobre o edredom, imaginando o que aconteceu com o verdadeiro café da manhã dos campeões. Pesquisadores descobriram algumas das respostas em um estudo recente, que investigou o declínio na atividade sexual ao longo do relacionamento amoroso dos casais.

Participaram do estudo 2.855 alemães, com idades entre 25 e 41 anos, que eram casados e moravam juntos ou em casas separadas. Prossigamos agora para as descobertas que você está curioso para conhecer!

Por meio de entrevistas pessoais anuais conduzidas ao longo de três anos, os pesquisadores descobriram que a queda na frequência sexual estava frequentemente ligada às mudanças características de novos estágios do relacionamento e a fatores estressores do casal. Perguntas sobre relacionamentos românticos e familiares foram complementadas com questões da pesquisa sobre frequência sexual (tudo feito de forma virtual, para estimular respostas sinceras).

Os resultados revelaram que a frequência sexual tinha mais a ver com o tempo que os casais tinham ficado juntos do que com se eles estavam vivendo juntos ou casados. Ou seja, os casais mostraram declínio acentuado na frequência sexual durante o segundo ano de relacionamento (cinco vezes menos por mês do que durante os primeiros seis meses de relacionamento), seguido por declínios mais lentos nos dois anos seguintes.

Ao contrário das expectativas dos pesquisadores, nem a empolgação em se casar, nem o fato de morarem juntos aumentaram a frequência sexual dos casais. No entanto, a gravidez e a paternidade moldaram a frequência sexual dos casais, que passaram a ter relações sexuais menos frequentemente desde a gestação até o sexto ano de vida do filho.

O relacionamento dos casais fora do quarto também influenciou o relacionamento no quarto. Manter as linhas de comunicação abertas, ser honesto e respeitoso e manter a intimidade emocional levou a um sexo mais frequente.

A trajetória das relações sexuais dos casais pode parecer sombria nessa análise; na verdade, é natural que o amor passional transite para um amor mais amigável e amistoso ao longo do tempo. No entanto, parece possível, com algum esforço e criatividade, que os casais prolonguem o estágio de lua de mel de sua vida sexual, introduzindo elementos frescos e excitantes entre quatro paredes, como novas posições sexuais, brinquedos, encenações, erotismo, bem como e simplesmente tentando promover a comunicação, o respeito e a intimidade emocional.

De fato, outra pesquisa recente mostrou que durante um relacionamento de longo prazo, desenvolver novos hobbies, interesses e habilidades (dentro e fora do quarto) pode revitalizar a paixão romântica. Felizmente, as oportunidades de ver a si mesmo e ao seu parceiro sob uma nova luz se apresentam constantemente no decorrer da vida. Por exemplo, depois que os filhos de um casal crescem e saem de casa, que se envolvem em relacionamentos sérios e têm seus próprios filhos, os membros do casal conseguem ver como o parceiro interage com os netos. De acordo com outros estudos, a “autoexpansão” pode continuar por muitos anos em um relacionamento, se os parceiros se engajarem constantemente em novas atividades que os desafiem e interessem.

Oferecer a si mesmo e ao parceiro as oportunidades de ver um ao outro sob uma nova luz pode ajudar a reacender a centelha original que os uniu e despertou o desejo. Juntos, esses estudos sugerem que focar no próprio desenvolvimento pessoal de forma ativa pode levar à paixão e aumento da frequência sexual nos relacionamentos românticos de longo prazo.

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!