Por que repetimos padrões dolorosos em nossos relacionamentos?

Como escolhemos um parceiro? Por que repetimos certos padrões sabendo que eles não foram exatamente bem para nós? Respondemos a essas e outras perguntas sobre os erros que nosso coração comete ao escolher candidatos para ocupá-lo.

Em seus relacionamentos amorosos, existem padrões que se repetem há algum tempo? Você vê certas semelhanças que você não gosta em cada um de seus parceiros? Seus relacionamentos estão mais cheios de ansiedade e frustração do que de satisfação e felicidade?

E se ao invés de pensar “que azar” ou “certamente eu tenho uma maldição”, refletirmos mais profundamente sobre o que está acontecendo? Vale a pena, não é? Ainda mais quando jogamos tanto…

Você sempre escolhe o mesmo tipo de parceiro?

Uma pesquisa recente realizada na Universidade de Toronto e publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) nos Estados Unidos concluiu que tendemos a nos apaixonar repetidamente pelo mesmo tipo de pessoa.

Os pesquisadores explicaram que, embora o mais comum quando um relacionamento termina seja atribuir o rompimento à personalidade do ex-parceiro e tomar a decisão de se apaixonar por outro tipo de pessoa, há uma tendência muito pronunciada de continuar ter parceiros com uma personalidade semelhante.

Yoobin Park e Geoff MacDonald, autores deste estudo, disseram à revista Science Daily:

“Se nos encontramos tendo os mesmos problemas em um relacionamento após o outro, podemos querer refletir sobre como sempre gravitar em direção aos mesmos traços de personalidade em nossos parceiros. contribuindo para a permanência de nossos problemas.

Padrões de relacionamento aprendidos na infância podem influenciar na escolha de um parceiro.

Decifre as relações pai-mãe-filho-filha.

A teoria do apego, desenvolvida pelo psicanalista inglês John Bowlby na década de 1950, afirma que, como adultos, seguimos os padrões de relacionamento que aprendemos na infância .

Desenvolvemos um apego seguro quando fomos educados com afeto, atendendo às nossas necessidades e emoções (sem nos superproteger) e estabelecendo limites claros e adequados para nós mesmos. A partir desse estilo educacional nos identificamos com o modelo e buscamos parceiros semelhantes, que nos tratem de forma saudável e satisfatória.

Inseguranças da infância

É assim que a maneira como nos relacionamos uns com os outros pode ser influenciada pela maneira como nossos pais se relacionam conosco e uns com os outros. Estamos falando de um modelo que pode exercer essa influência consciente ou inconscientemente. Neste último caso, esta influência é muito perigosa, devido ao quão complicado pode ser a sua detecção.

Em muitos casos, no contexto da escolha de um parceiro, muitas de nossas decisões podem ter a ver com a repetição de modelos que internalizamos há muitos anos, quando éramos especialmente permeáveis, seja pela idade ou pelas circunstâncias.

Felizmente, o estilo de relacionamento é aprendido, não o instinto, então temos espaço para intervenção. O que aprendemos pode ser desaprendido, aprendendo outra forma de nos relacionarmos e nos abrindo para diferentes características.

Repetimos o padrão se não tivermos consciência de nossos medos e inseguranças ou não fizermos nada para enfrentá-los. Portanto, a primeira coisa é se conhecer bem e entender que: mudando a mim, muda a relação ou a forma como nos relacionamos.

E como você se relaciona com seu parceiro? Qual é o seu papel?

O problema de não estar ciente do seu padrão ou do seu papel é que a árvore cobre a floresta, sendo um obstáculo para analisar como você age e qual pessoa procura inconscientemente.

Sem perceber, você vai procurar alguém que se encaixe na sua dinâmica ou que se assemelhe ao relacionamento que você teve com seus pais. É como se você estivesse no piloto automático, mas sem saber.

Transmitimos uma energia que atrairá um tipo específico de pessoa e vice-versa. Você será atraído por pessoas com uma energia que combina com a sua. Não se culpe nem se confunda, é assim que você aprendeu a se relacionar É possível sair desse círculo vicioso se você tomar consciência de seus padrões.

Como quebrar esses padrões?

Uma vez que você esteja ciente de seu padrão, é hora de agir e reverter esse aprendizado . Como você pode ver, a repetição de padrões negativos em seus relacionamentos pode ser a causa ou uma das causas de seus relacionamentos funcionarem para nós. Assim, queremos dar-lhe algumas sugestões para integrar padrões de relacionamento mais saudáveis.

Antes de mais nada, pergunte-se:

– Para que tipo de pessoas eu olho?
– O que é que me atrai neles?
– Como reajo quando…?
– Que resultados tenho quando reajo assim?
– Você poderia reagir de outra forma?

Cuidar da autoestima protege de padrões dolorosos nos relacionamentos.

Aqui estão algumas sugestões para acabar com o ciclo vicioso:

1 – Detecte esses padrões: O primeiro passo para mudar algo é detectar que o problema existe e onde exatamente ele está. Recomendo que você anote todas as ideias que vierem a você em um caderno e assim tome conhecimento delas e as organize.

2 – Discrimine os sinais de que a mesma coisa está acontecendo com você novamente: é normal que você continue se sentindo atraído por pessoas com as mesmas características do passado, mas agora cabe a você cortar esse relacionamento a tempo, pois você sabe que esse tipo de pessoas lhe deu mais sofrimento do que satisfação.

Assuma sua parte de responsabilidade.

3 – Aceite: não há problema em você contar ao seu parceiro algumas coisas que o incomodam e que você gostaria que ele mudasse, mas sempre tendo em mente que todos são livres para mudar ou não.

Lembre-se: se você decidir iniciar um relacionamento, lembre-se que é para se unir, respeitar a independência de cada um dos membros e acompanhá-lo em seu projeto de vida.

4 – Cuide da sua autoestima.
Embora seja verdade que ao longo da vida aprendemos inconscientemente padrões que influenciam o curso de nossos relacionamentos amorosos, também é verdade que podemos nos conscientizar deles e modificá-los para viver relacionamentos amorosos mais plenos, conscientes e muito mais gratificantes.

*DA REDAÇÃO HP.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?
O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!