Por que tantos casais infelizes escolhem permanecer juntos?

Por Kristina Ivanova

Ou você conhece um casal que permanece junto, mesmo que sejam infelizes, ou você mesmo está em um. Infelizmente, há muitas pessoas aceitando permanecer em relacionamentos que só as fazem sofrer.

Por que nos contentamos com tão pouco quando podemos ter muito mais?

Como a Psychology Today observa, a ciência das relações é guiada pela Teoria da Interdependência. De acordo com os psicólogos sociais Harold Kelley e John Thibaut, que desenvolveram a teoria décadas atrás, cada parceiro avalia a satisfação pessoal com o relacionamento avaliando custos e benefícios.

Em outras palavras, você será feliz em seu relacionamento, desde que o que você receba seja mais do que o que você dá.

Quando seu parceiro requer muito de seu tempo e energia, mas também lhe dá a aceitação e o amor de que você precisa, você ficará satisfeito. Quando eles dão pouco, mas exigem ainda menos em troca, o cenário deve ser o mesmo.

A realidade, é que aceitamos o amor que achamos que merecemos.

Nós nos convencemos de que estamos satisfeitos com alguém que nos trata mal apenas porque acreditamos que não merecemos ser bem tratados.

Permanecemos em relacionamentos disfuncionais só porque não temos coragem de pedir mais.

Um estudo mais recente conduzido pelo psicólogo Levi Baker argumenta que estar comprometido com seu parceiro não se baseia em seu nível atual de satisfação. A pesquisa se opõe à Teoria da Independência, afirmando que a devoção de uma pessoa ao seu relacionamento depende da satisfação que espera receber no futuro.

Simplificando, mesmo que você possa estar infeliz com seu parceiro agora, você opta por ficar porque acredita que seu relacionamento vai melhorar com o tempo. Você está tentando desesperadamente se convencer de que o outro vai mudar.

Ou seja… Seu nível atual de satisfação depende inteiramente de suas esperanças para o futuro.

Isso pode explicar por que nos comprometemos com relacionamentos de longo prazo, embora possamos não estar totalmente satisfeitos com nossos parceiros. Esperamos que aqueles que amamos se transformem magicamente nas pessoas que acreditamos que eles poderiam ser.

Acreditamos que o bem superará o mal no longo prazo, por isso nos reconciliamos com a situação atual.

Aqui está a opinião do psicólogo sobre por que continuamos em relacionamentos disfuncionais:

“As pessoas tendem a permanecer em casamentos infelizes quando (a) esperam que o relacionamento melhore, ou (b) esperam não encontrar alternativa melhor.”

Mas e se a “melhor alternativa” não for encontrar alguém mais adequado para você do que seu parceiro atual, mas reconectar-se consigo mesmo?

Para algumas pessoas, passar um tempo de qualidade em sua própria companhia é tudo de que precisam para encontrar a felicidade depois de um relacionamento doentio. Como se costuma dizer, é melhor estar sozinho do que em más companhias.

No entanto, as coisas ficam muito mais complicadas quando há crianças no meio. Percebendo que os filhos não são os culpados pela infelicidade sua e de seu parceiro, mas eles podem sofrer mais, você pode optar por ficar junto para protegê-los.

Mas os jovens não são tão fáceis de enganar quanto você pode pensar. Eles podem pegar uma vibração ruim em segundos, independentemente do quanto você tente parecer radiante.

Quer você seja casado e tenha filhos, quer esteja há apenas alguns meses em um relacionamento, se sua parceira o faz sentir-se miserável, você não tem razão para tolerá-la.

Se seu cônjuge faz coisas que o magoa, prejudica sua autoestima ou faz você se sentir indigno de amor, é provável que ele seja ainda mais infeliz do que você.

Portanto, em vez de lidar com o abuso mental contínuo dele, invista sua energia para criar uma vida melhor para você e para seus filhos, e escolha ser feliz enquanto vida você ainda tem. Não permaneça em um relacionamento onde ambos estão infelizes, liberte o outro e a si mesmo.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações IHI


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA? O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!