A raiva é como fogo: não pode sobreviver sem combustível. Como o fogo, a raiva não verificada pode crescer fora de controle e causar enormes danos e dor. Mas também como o fogo, a raiva pode ser reconhecida, controlada e gerenciada em nossas vidas. O combustível que mantém a queima de raiva pode vir de muitas fontes – de problemas no trabalho ou em casa, de frustrações com o mundo, de nossa incapacidade de superar os desafios que enfrentamos.

Curiosamente, no entanto, uma das maiores fontes de combustível da raiva é a autossabotagem – as coisas que fazemos, talvez involuntariamente, para nos mantermos zangados. Talvez perguntemos, por que iríamos querer ficar zangados? Como uma emoção, a raiva pode ser extremamente poderosa e sedutora, especialmente para os indivíduos que gostam de ser vistos como fortes, de cabeça fria ou “no controle”.

Para aqueles de nós que têm pouca alegria ou prazer em nossas vidas, a emoção da raiva pode ser o sentimento o mais forte que temos, e mesmo um sentimento mau pôde parecer preferível a nenhum sentimento. Então, secretamente, ativamos o fogo da nossa raiva. Como? Uma maneira é procurar terreno comum com outras pessoas furiosas. Se olharmos na internet, ou em nosso próprio bairro, veremos que há muita raiva no mundo. Podemos facilmente encontrar gangues, fóruns e grupos de ódio que recompensam a raiva com a inclusão: se você está disposto a demonstrar a sua raiva, você pode ser um de nós.

Outra forma de autosabotagem é transformar nossa raiva contra nós mesmos, fisicamente. Talvez isso apareça num pretexto de algo comum e culturalmente aceito, como fumar ou beber; Talvez seja mais sinistro, como o uso de drogas ou ferimentos autoinfligidos. Talvez ao largarmos mão de nossa higiene ou passar a comer apenas porcarias, abrindo caminho para a obesidade. Talvez paremos de tomar medicamentos, ou passemos a dirigir de forma imprudente.

Para cada um desses comportamentos, temos, sem dúvida, justificativas; raramente reconhecemos que eles ajudam a nos manter irritados. Quanto mais nos entretemos nessas ações, menos atraentes somos para os outros, e, simultaneamente, mais culpamos os outros por criticar, maltratar e ir contra nós – algo que nos deixa zangados!

Um padrão de nos colocarmos em situações difíceis e, em seguida, culpar os outros por nossos fracassos é outra manobra de autossabotagem. Talvez comecemos um relacionamento baseado naquilo que imaginamos que o nosso parceiro possa ser – o seu ‘potencial’; talvez aceitemos um trabalho que seja impróprio, exceto em nossa fantasia do que o trabalho poderia ser; talvez iniciemos um projeto que está muito além de nossas habilidades ou orçamento. Em cada caso, nós nos ajustamos para o fracasso. Quando, de fato, falhamos, nós culpamos irritadamente nosso sócio, nosso chefe ou o mundo.

Este ciclo de raiva autoinfligido pode ser interrompido – se procurarmos ajuda. Em vez de ferir a nós mesmos ou aos outros, podemos aprender a expressar nossos sentimentos e ideias. Podemos aprender maneiras de nos relacionar com os outros sem causar dor. Podemos transformar nossa raiva em uma força construtiva em nossas vidas.

Nem sempre reconhecemos nossa própria raiva. Mas quando outras pessoas se distanciam de nós, ou nos perguntam por que estamos tão zangados, eles estão nos dando um sinal útil ao qual deveríamos prestar atenção. Quando vemos o dano e a dor que vem da autossabotagem, talvez seja hora de conversar com um profissional especializado em problemas de raiva.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!