reiki - Reiki, a cura pelas mãos!

Por Rodrigo Bandeira

Muito se ouve falar sobre maneiras de promover o equilíbrio e a cura de forma holística, por meio de terapias alternativas e medicina não tradicional. Dentre essas terapias, destaca-se o Reiki, uma prática espiritual japonesa de relaxamento físico e mental. Criada em 1922, pelo monge budista Mikao Usui, a prática se baseia na ideia de que há uma energia vital, chamada “ki”, que flui através de nós e pode ser canalizada pelas mãos para proporcionar cuidado e cura.

Embora seja considerada uma prática espiritual, para aplicar ou receber Reiki não é necessário ter uma religião específica. Qualquer pessoa saudável física e mentalmente pode se capacitar para aplicá-lo. O ideal, entretanto, é que é apenas os Mestres Reiki, pessoas que receberam formação específica para esta prática, realizem a imposição das mãos.

A sessão de Reiki

Nada além das mãos é usado como ferramenta de trabalho no Reiki. Não há instrumentos, aparelhos ou dispositivos que acompanhem a prática. Durante a sessão, o aplicador treinado basicamente impõe as mãos ou toca suavemente algumas partes do corpo (cabeça, mãos, pés, costas e tórax), a fim de manipular as energias para os chakras­, canais localizados em determinados pontos do corpo, por onde a energia vital do universo, Ki, entra no nosso organismo.

É frequente o relato de sensação de calor, no momento em que o Reiki está sendo aplicado, que nada mais é do que a percepção da energia ki sendo manipulada. A redução de sintomas de dor, relaxamento e tranquilidade também são efeitos da prática.

Não há restrição de idade ou condição física para receber Reiki. As sessões são realizadas com os pacientes vestidos, de acordo com princípios éticos e extremo respeito. Por meio da intensão e extremo desejo de promover cura e bem estar do aplicador, é possível também fazer Reiki à distância.

Reiki e Ciência

Nos últimos anos, pesquisadores têm se dedicado a comprovar como o bom funcionamento dos chakras e a imposição das mãos atuam sobre a saúde do nosso corpo, indo de encontro à sabedoria budista que deu origem à prática.

Daniel Wirth, um pesquisador da Califórnia, conduziu um interessante experimento neste tema. Quarenta e quatro voluntários foram levemente feridos no ombro, de forma idêntica, por um médico. Sem saber, vinte e três se submeteram a sessões de Reiki e os outros vinte não. Nenhum deles sabia que a experiência era sobre cura.

O procedimento consistia nos voluntários inserirem os braços através de orifícios feitos na parede, por onde parte deles receberia Reiki pela imposição de mãos (sem toque) de um terapeuta reikiano, que estava no cômodo anexo. Os voluntários não foram informados em momento algum se haviam ou não recebido Reiki. Os tratamentos foram ministrados de modo a eliminar a possibilidade do efeito placebo. Depois de oito dias, as feridas do grupo tratado por Reiki tinham melhorado 93,5% comparados com 67,3% por cento de melhora das feridas dos pacientes não tratados desta maneira. Diversos outros estudos também replicaram resultados semelhantes, comprovando a eficácia do método.

Alguns hospitais, em função dos benefícios já comprovados, adotam o Reiki como terapia complementar em suas práticas diárias, aplicando-o em adultos, idosos, jovens e até bebês. Suas indicações vão desde amenizar dores e sintomas de tratamentos como a quimioterapia, até promover equilíbrio mental e cura de diversas doenças.

Vale ressaltar que o Reiki também pode ser aplicado em animais e plantas, além de ser uma forma de purificar e gerar bem-estar no ambiente.

Princípios do Reiki

Há uma filosofia por trás do Reiki que identifica sentimentos e comportamentos capazes de atuar nos planos físico, mental, emocional e espiritual dos seres e refletem a filosofia da “lei do retorno”. São cinco princípios a serem incorporados para obtermos mais saúde e qualidade de vida:

1º Princípio: Só por hoje, não fique com raiva

Por se tratar de uma energia altamente negativa, a raiva pode bloquear as energias de cura, o que compromete qualquer tratamento. No Reiki, é importante procurar compreender que cada pessoa está em um estágio evolutivo e consegue oferecer ao mundo apenas aquilo que possui internamente. Isso ajuda a controlar sentimentos de raiva e agir com a tolerância necessária para obter paz.

2º Princípio: Só por hoje, não fique preocupado

Este princípio nos lembra de que tudo que acontece possui uma razão e contém uma lição a ensinar. Lamentarmos o passado e nos preocuparmos com o futuro é desperdício de tempo e energia, uma vez que tais situações nunca estarão ao alcance de nossas mãos. Apenas importa é o presente e o que podemos fazer com ele.

3º Princípio: Só por hoje, sinta gratidão pelo que recebe

Apenas o verdadeiro sentimento de gratidão pode atrair abundância em todos os sentidos. Por isso, é indispensável seguir a atitude de agradecer. A regra é muito simples: recebemos o que emitimos. Assim, se emitimos mesquinharia, atrairemos miséria. Se emitirmos gratidão, atrairemos bênçãos.

4º Princípio: Hoje e sempre, trabalhe com dedicação e honestidade

Quando somos honestos com os outros, somos acima de tudo honestos conosco mesmos. Quanto temos uma tarefa a cumprir, devemos executá-la da melhor forma, para atingirmos nossas metas e objetivos.

5º Princípio: Hoje e sempre, seja gentil e mostre gratidão com todos os seres vivos

A gentileza é encarada como o amor em ação. Segundo este princípio, recebemos de volta bênçãos e gentilezas quando adotarmos essa postura para com nossos semelhantes. A energia que emitimos é a mesma que recebemos, o bem que plantamos é o mesmo que colhemos.

 

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Rodrigo Bandeira
Terapeuta pós graduado em acupuntura, professor e atleta de artes marciais Mestre Reiki. Campeão Mundial de Hapkido, com títulos no jiujitsu e no Judô. Fala sobre terapias, artes marciais e bem estar.