Por John M. Grohol

As pessoas são muitas vezes se confundem com o que significa ter autoestima. Alguns pensam que tem a ver com a forma como você se mostra, outros com o quão popular é com seus amigos. Há os que acreditam que ter um corpaço irá ajudá-los a ganhar autoestima, enquanto outros pensam que é necessário ter feito algo especial para ter boa autoestima.

Resumindo, autoestima significa simplesmente gostar de si mesmo, dar-se valor, com suas falhas, fraquezas e tudo. Parece que outras culturas não sofrem tanto com questões da autoestima, tanto quanto os americanos, talvez por conta da ênfase que parecem colocar em indicadores materialistas (como o tipo de carro que dirigem, a escola os filhos frequentam, a bela casa em que moram ou o que cargo que ocupam no trabalho).

A diferença entre alguém com uma autoestima saudável de alguém que não tem não é habilidade por si só. É simplesmente reconhecer seus pontos fortes e fracos, e manter-se em movimento de forma contínua e segura.

O que me leva à pergunta que muitas vezes me fazem: ”como posso aumentar a minha autoestima”? Veja como:

Pessoas com uma boa autoestima são capazes de se sentir consigo mesmas, apreciam o próprio valor e têm orgulho de suas habilidades e realizações. Eles também reconhecem que, embora não sejam perfeitos e tenham falhas, essas falhas não desempenham um papel esmagador ou irracionalmente grande em suas vidas ou em sua própria autoimagem.

  1.  Faça um documento de sua autoestima

Não se pode consertar o que não se conhece. Este é um dos principais componentes da terapia cognitivo-comportamental (TCC).

O mesmo se aplica à sua autoestima. Para simplesmente generalizar e dizer: “eu sou inútil. Sou uma pessoa má. Não posso fazer nada. “é dizer a si mesmo uma mentira simples, mas muitas vezes convincente. Estou aqui para lhe dizer que não é verdade. Todos somos péssimos de vez em quando. A solução é não tornar estas falhas como o núcleo de sua identidade em vez disso, deve reconhecê-las e seguir em frente.

Pegue um pedaço de papel. Desenhe uma linha no meio dela. No lado direito, escreva: “pontos fortes” e no lado esquerdo, escreva: “fraquezas”. Liste 10 de cada lado. Sim, 10. Isso pode parecer muito do lado dos pontos fortes se você sofre de baixa autoestima, mas se esforce para encontrar todos os 10. Se tiver dificuldade nisso, reflita sobre o que os outros lhe disseram ao longo dos anos. “Obrigado por me ouvir na outra noite, quando tudo que eu desabafei!” “Você fez um ótimo trabalho no trabalho com esse projeto, obrigado.” “Eu nunca vi alguém que gostasse de trabalho doméstico tanto quanto você.” “Você parece ter um talento real para contar uma história.” Você pode se surpreender com o quão fácil será listar todos os 10 pontos quando partir desta perspectiva.

Este é o seu “inventário de autoestima”. Ele permite que você saiba todas as coisas negativas que você já pensa de si mesmo, bem como ressalta tantas coisas positivas que fazem com que você não seja um inútil. Algumas das fraquezas você também pode ser capaz de mudar, se apenas você focar nelas, uma de cada vez, ao longo de um mês ou até mesmo um ano. Lembre-se, ninguém muda as coisas durante a noite, por isso não defina uma expectativa irreal de que você pode mudar qualquer coisa em apenas uma semana, por exemplo.

  1.  Defina expectativas realistas

Nada pode matar a nossa autoestima mais do que definir expectativas irreais. Lembro-me de quando eu tinha 20 anos, eu dizia que “precisava ser um milionário quando chegasse aos 30 ou seria um fracasso.” (Nem sequer vou começar a falar sobre quantas coisas estão erradas com essa afirmação.) Os 30 chegaram e eu não estava perto de ser um milionário. Estava mais em dívida do que nunca, e ter uma casa ainda era um sonho distante. Minha expectativa era irreal, e minha autoestima tomou um golpe quando eu fiz 30 anos e me dei conta do quão longe esse objetivo estava de ser atingido.

Às vezes, nossas expectativas são muito menores, mas ainda não realistas. Por exemplo, “Eu desejo que minha mãe (ou pai) pare de me criticar.” Adivinha? Eles nunca vão! Mas isso não é motivo para deixar suas críticas afetarem sua própria visão de si mesmo, ou sua própria autoestima. Verifique suas expectativas se eles continuam decepcionando você. Sua autoestima vai te agradecer.

Isso também pode ajudá-lo a parar o ciclo de pensamento negativo sobre si mesmo que reforça a nossa autoestima negativa. Quando temos expectativas realistas, nós conseguimos parar de nos repreender por não cumprir alguma meta ideal.

  1. Deixe a perfeição de lado e surpreenda-se com um monte de realizações… E erros

A perfeição é simplesmente inatingível para qualquer um de nós. Deixe pra lá. Nunca seremos perfeitos. Você nunca vai ter o corpo perfeito, a vida perfeita, o relacionamento perfeito, as crianças perfeitas, ou a casa perfeita. Nós nos obcecamos com a ideia de perfeição, porque está muito presente na mídia. Mas ela é uma criação artificial da sociedade. Não existe.

Em vez disso, foque em suas realizações e em como alcançá-las. Reconheça o valor real delas para si mesmo (sem desvalorizá-las, dizendo: “Ah, isso? Isso é tão fácil para mim, não é grande coisa.”). Pode até ajudar a manter um pequeno diário ou lista de coisas que você realizou. Algumas pessoas podem até fazer isso em diariamente, enquanto outros podem se sentir mais confortáveis apenas observando-as uma vez por semana ou até mesmo uma vez por mês. A chave é chegar a seus objetivos menores e seguir em frente, como um jogo de “conectar os pontos” da vida.

É muito importante aprender algo com os próprios erros. Isso não significa que você seja uma pessoa ruim, apenas significa que você cometeu um erro (como todo mundo faz). Os erros são uma oportunidade para o aprendizado e para o crescimento, se apenas os analisarmos sem auto piedade ou a crítica negativa que costumamos fazer depois de cometer um, e tentarmos vê-los a partir do olhar de outra pessoa.

  1. Explore a si mesmo

“Conheça a ti mesmo” é um velho ditado transmitido ao longo dos séculos. Geralmente, as pessoas mais equilibradas e mais felizes que eu encontro são as pessoas que passaram por este exercício. Não se trata apenas de conhecer seus pontos fortes e fracos, mas também se abrir para novas oportunidades, novos pensamentos, experimentar algo novo, novos pontos de vista e novas amizades.

Às vezes, quando estamos em baixo em nós mesmos e nossa autoestima tomou um grande sucesso, sentimos que não temos nada para oferecer ao mundo ou aos outros. Pode ser que simplesmente não tenhamos encontrado tudo o que temos para oferecer — coisas que nem sequer consideramos ou pensamos ainda. Aprender o que estes são é simplesmente uma questão de tentativa e erro. É como as pessoas se tornam as pessoas que sempre quiseram se tornar, assumindo riscos e tentando coisas que normalmente não fariam.

  1. Disponha-se a ajustar sua autoimagem

A autoestima é inútil se for baseada em uma versão mais antiga de você que não existe mais. Eu costumava ser bom em muitas coisas em que não sou mais. Eu me superava em matemática no colegial, mas não conseguiria solucionar um problema de cálculo hoje para salvar a minha vida. Eu costumava pensar que era muito esperto, até que percebi o quão pouco eu sabia. Eu tocava trombone muito bem, mas não mais.

E sabe, está tudo está bem. Eu ajustei minhas próprias crenças sobre o meu eu e meus pontos fortes. Eu me tornei um escritor melhor e aprendi mais sobre negócios do que eu já sabia antes. Eu não sento por aí e digo, “caramba, eu realmente queria saber tocar trombone antes!” (E se eu me importasse o suficiente quanto a isso, faria algumas aulas novamente.) Em vez disso, eu me avalio com base no que está acontecendo na minha vida agora, não uma versão passada distante de mim.

Continue ajustando sua autoimagem e autoestima para corresponder às suas habilidades e habilidades atuais, não as do seu passado.

  1. Pare de se comparar com os outros

Nada pode prejudicar a nossa autoestima mais do que comparações injustas. José tem 3.000 amigos do facebook, enquanto eu só tenho 300. Maria pode me superar no campo quando jogamos bola. Bete tem uma casa maior e um carro mais legal do que eu. Note como isso pode impactar em nossos sentimentos sobre nós mesmos, e nós fazemos esse tipo de coisa.

Eu sei que é difícil, mas você precisa parar de se comparar com os outros. A única pessoa com a qual você deve se comparar é com você mesmo. Estas comparações são injustas porque nunca sabemos tanto quanto pensamos sobre as outras pessoas. Você pode achar que são melhores, mas podem ser 100 vezes piores do que você pode imaginar. (Por exemplo, José pagou por muitos amigos no facebook; os pais de Maria a deixaram em colégio interno desde seus 3 anos; e Bete está em um casamento sem amor, que só parece ser ideal.)

Sei que parece fácil. Não é. Mudar a autoestima leva tempo, requer tentativa e erro, além de paciência. Faça um esforço para ser mais justo e realista com você mesmo; e eu acho que você pode ser agradavelmente surpreendido com os resultados. Boa sorte!

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!