Síndrome de Burnout foi o nome que se deu ao esgotamento físico e mental que acontece por conta de uma vida desgastante e sobrecarregada. Tem esse nome porque significa “queimar até o fim”, em inglês, é como o pavio que termina. Não resta nada, depois que queima. O estresse é tamanho que a energia se esvai por completo. Muitas vezes, a falta da sensação de reconhecimento leva a esse quadro. A pessoa sente que dá tudo o que tem e não se sente valorizada por isso.

Geralmente esse esgotamento ocorre em função do trabalho, pelas altas demandas, cobranças e competitividade, que podem estar presentes. No entanto, qualquer pessoa à mercê destas mesmas circunstâncias pode desenvolver a síndrome. Mães de crianças, mulheres com jornada de trabalho fora e dentro de casa, etc.

Os sintomas da síndrome de burnout incluem exaustão física e emocional, ansiedade, desânimo acentuado, dificuldade de sentir prazer, dificuldade de raciocinar, irritabilidade, preocupação, alterações do sono, sentimentos de incapacidade ou inferioridade, falta de motivação e criatividade. O quadro pode evoluir para depressão e levar ao aparecimento de doenças físicas, se não for bem cuidado. Entre os mais comuns sintomas, estão: dor de cabeça, enxaqueca, transpiração excessiva, fadiga crônica, pressão arterial alta, alteração nos batimentos cardíacos, dores musculares e problemas gastrointestinais.

O tratamento da síndrome de burnout inclui psicoterapia, eventualmente também a prescrição de medicamentos e, muitas vezes, mudanças nas condições de trabalho. O maior desafio é quebrar o círculo vicioso de sobrecarga de trabalho e frustração, que leva a mais trabalho para compensar a frustração. Por isso, pode ser necessário um período de pausa, afastamento do trabalho ou mesmo férias, para buscar o reequilíbrio entre a vida profissional, familiar, pessoal e social. A prática de atividade física também pode entrar como coadjuvante no tratamento.

Para evitar o padrão comportamental que leva ao quadro da síndrome, recomenda-se descansar suficientemente, procurar manter um equilíbrio entre trabalho, lazer, família, vida social e atividades físicas, além de mudar determinadas atitudes, expectativas e hábitos de vida.

E você, consegue equilibrar vida pessoal e trabalho, ou está caminhando para o seu limite?

 

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!