Por Marina Fanti

Há um mito difundido entre os viajantes de que viajar de trem é mais barato do que de avião na Europa. Digo que é um mito porque não só algumas das famosas companhias Low Cost: Easy Jet, Ryanair, Bmibaby, Monarch e Flybe vendem passagens que podem custar apenas 10 Libras num trecho, por exemplo, de Londres à Paris, como as companhias de trem podem oferecer passagens que chegam a custar, aproximadamente, 20 vezes mais para fazer o mesmo trecho.

O segredo para conseguir a menor tarifa e dicas para saber quando compensa viajar de avião, eu listo abaixo:

                                                  Quando compensa viajar de avião

Quando se viaja apenas com bagagem de mão, ou pouca bagagem para despachar

 

Muitas das Low Cost vendem trechos por 10 libras, mas cobram 15, 20, 25 Libras por mala despachada e mais libras ainda por cada quilo que excede o limite (mínimo) que cada uma impõe. As malas de mão também passam por um rigoroso processo de inspeção visual do atendente, e se ele cismar que ela é grande, vai encaixá-la em um compartimento bem apertadinho; caso não caiba, deverá ser despachada, e logicamente, estará sujeita às malditas taxas! Bolsas e sacolas são consideradas malas de mão, então é preciso colocar tudo em uma única mala, para não ser cobrado depois… Também existe a opção de acrescentar um seguro viagem, que encarece o valor do bilhete.

Em suma, é importante ler os Terms and Conditions de cada cia para saber o quanto vai custar no final, a sua passagem.

Quando o tempo é curto

Não adianta colocar no papel apenas o custo, porque mochileiro que se preze está sempre com o tempo contado. Se for fazer um trecho de 10 horas de trem, que seja um trem noturno, para passar a noite e ainda economizar na hospedagem. Sendo esta a escolha, vale se certificar se há cabines duplas, ou até primeira classe, porque já passei pela experiência de dividir com quatro homens gordos e sofredores de apneia, uma noite insone em um trem na Itália. Concluindo, perder o dia viajando é a maior roubada e no fim das contas, pode valer mais a pena pagar mais caro, mas desfrutar mais dos lugares do que ficar marcando território em cadeira de trem.

Quando alguma Cia que não é low cost, lança uma promoção

Eventualmente, cias tradicionais como British Airways, Lufthansa, KLM, etc, fazem alguma promoção e voando por elas não há uma restrição de bagagem tão severa, nem se cobra por mala despachada. Pode acabar sendo mais vantajoso embarcar num voo destes, mesmo que um pouco mais caro, do que ficar chacoalhando por horas e horas em um trem, fazendo conexões com a bagagem (o que é bem complicado, se há muita bagagem!) e perdendo um tempo precioso da viagem.

                                                Quando é melhor optar pelo trem

Quando se tem antecedência de pelo menos 3 semanas para comprar as passagens

Tíquetes comprados com antecedência saem muito mais baratos. Se for possível comprar com três semanas, ótimo, e se tiver 12 semanas de antecedência então, eles saem infinitamente mais baratos.

Quando se conhece alguns truques

1) Fazer bate-e-volta sai bem mais barato do que voltar no dia seguinte, e comprar o tíquete com a hora marcada (não o Open Return), significa pagar menos da metade do que a tarifa flexível. 2) Fugir dos embarques em horários de pico é fundamental para economizar. É preciso checar qual é o horário de pico estabelecido pela Cia e, se possível, comprar a passagem para antes ou depois, são os off- peak tickets.
3) Comprar dois bilhetes Single (um para ir e um para voltar) é frequentemente mais barato do que comprar um Return ticket. 4) É possível simular a compra dos bilhetes – ver os preços do trecho, os horários dos trens e detalhes das conexões, pelo site da train line e verificar como pagar menos. Caso se opte por fazer a compra online, há uma taxa pela transação e pagamento com cartão. O que eu sempre faço e aconselho fazer é imprimir a simulação da compra e ir com o papel à estação para pedir o trecho, assim, evita-se pagar as taxas e os tíquetes são imediatamente entregues, diferentemente do que acontece na compra online, em que ou os tíquetes são enviados pelo correio, ou se recebe um código para imprimi-los na estação de trem.

Quando se tem medo da imigração

Chegar por, ou sair de Heatrow vindo de Paris (e vice-versa) pode ser bem mais chato para um brasileiro do se ele chegar em uma estação de trem. Os oficiais da imigração dos aeroportos têm fama de ser mais durões na entrada dos estrangeiros do que nas estações de trem, e eu mesma ouvi muitos relatos de pessoas que concordam que isso seja verdade, por experiência própria. Há opção também de se chegar em Manchester, ou outra cidade que não Londres para evitar a “alfândegofobia”!

Quando se planeja viajar muito

Se a ideia for fazer muitas viagens, ultrapassando o valor de 78 Libras em um ano, o melhor é comprar um Railcard. Existem opções de Railcards para pessoas entre 16 e 25 anos, pessoas acima dos 60 e seus acompanhantes, e pessoas com qualquer tipo de deficiência. Os preços das passagens saem por 1/3 do valor normal. É preciso, entretanto, checar se o trecho pretendido é coberto pelo card.

Se você é um caça-promoções

Há um site com promoções relâmpago onde é possível encontrar tarifas baixíssimas, como as feitas pela Megatrain.com, que na mesma linha do Megabus, vende passagens a uma Libra!

Tendo estas considerações em mente, é só traçar o roteiro e embarcar, seja por trilhos, seja por ar, para explorar essa terra linda e louca do UK!

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!