Um relacionamento familiar difícil pode afetar a nossa saúde mental, dizem psicólogos.

O assunto foi abordado pelo psicólogo Karl Andrew Pillemer, depois de perceber que havia poucos estudos importantes sobre distanciamento familiar.

Karl realizou uma pesquisa nacional para seu livro de 2020, Fault Lines: Fractured Families and How to Mend Them. A pesquisa mostrou que mais de um em cada quatro americanos relatou ter se afastado de outro parente.

Uma pesquisa semelhante para a instituição de caridade britânica Stand Alone sugere que o fenômeno afeta uma em cada cinco famílias no Reino Unido, enquanto pesquisadores acadêmicos e terapeutas na Austrália e no Canadá também dizem que estão testemunhando uma “epidemia silenciosa” de separações familiares.

Nas mídias sociais, houve um boom de grupos de apoio online para adultos que optaram por se afastar, esse apoio está se tornando comum, visto que são, geralmente, as diferenças ideológicas que separam as gerações.

O fato de que o estranhamento entre pais e seus filhos adultos parece estar aumentando – ou pelo menos é cada vez mais discutido – parece se dever a uma complexa teia de fatores culturais e psicológicos. E a tendência levanta muitas questões sobre seu impacto tanto nos indivíduos quanto na sociedade.

Nos EUA, uma pesquisa da Ipsos relatou um aumento nas divergências familiares após a eleição de 2016, enquanto uma pesquisa de acadêmicos da Universidade de Stanford em 2012 sugeriu que uma proporção maior de pais poderia ficar infeliz se seus filhos se casassem com alguém que apoiasse um partido político rival, que era muito menos verdade uma década antes.

Um estudo recente do Reino Unido descobriu que uma em cada 10 pessoas se desentendeu com um parente por causa do Brexit.

“Esses estudos destacam a maneira como a identidade se tornou um determinante muito maior de quem escolhemos manter perto ou deixar ir”, diz Joshua Coleman, psicólogo e autor de The Rules of Estrangement: Why Adult Children Cut Ties and How to Heal the Conflict.

Ambos os especialistas acreditam que parte do contexto para a ruptura familiar é o aumento da polarização política e cultural nos últimos anos. E isso pode piorar, visto que estamos em ano de eleições.

Essas disputas, sejam por quais motivos forem, podem afetar a nossa saúde mental.

“Embora não haja nada de especialmente moderno no conflito familiar ou no desejo de se sentir isolado dele, conceituar o distanciamento de um membro da família como uma expressão de crescimento pessoal, como é comumente feito hoje, é quase certamente novo”, diz Coleman. “Decidir quais pessoas manter dentro ou fora da vida tornou-se uma estratégia importante.”

Coleman argumenta que nosso foco crescente no bem-estar pessoal aconteceu em paralelo com outras tendências mais amplas, como uma mudança para uma “cultura mais individualista”. Muitos de nós são muito menos dependentes de parentes do que as gerações anteriores.

“Não precisar de um membro da família para apoio ou porque você planeja herdar a fazenda da família significa que com quem escolhemos passar o tempo é mais baseado em nossas identidades e aspirações de crescimento do que sobrevivência ou necessidade”, explica ele. “Hoje, nada liga um filho adulto a um pai além do desejo desse filho adulto de ter esse relacionamento.”

As pessoas estão ficando mais confiantes em traçar seus próprios limites e dizer ‘não’ para as pessoas.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações BBC.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!