Uma sociedade desumanizada, segundo Erich Fromm

Erich Fromm previu que no ano 2000 a sociedade estaria cada vez mais individualizada, desumanizada e sujeita à tecnologia. Isso nos tornaria, não apenas menos livres, mas também mais infelizes.

A sociedade desumanizada, segundo Erich Fromm, traça uma reflexão que nos é particularmente familiar. Segundo o famoso psicanalista, filósofo e psicólogo social, o mundo se moverá progressivamente para um cenário com menos interação social e maior isolamento. Na “megamáquina”, como ele definiu a sociedade industrializada, o homem será escravo da tecnologia.

É verdade, essa definição parece mais uma previsão, uma visão quase exata da realidade atual. E parece-nos porque foi. Em seu livro publicado em 1968 A Revolução da Esperança, ele queria refletir sobre a sociedade e o tipo de ser humano que encontraríamos no ano 2000. Se as guerras nucleares não nos destruíssem antes, especulou, teríamos um alinhado, mundo frio e menos empático.

A chegada do novo milênio, especificou, não será o culminar da felicidade e muito menos da liberdade. Por isso, e para devolver a esperança a um mundo sem esperança, foi necessário tomar consciência de uma série de dimensões. Assim, as propostas que Fromm nos deixou na sua época ainda hoje são relevantes.

“Máquinas e computadores devem se tornar meios para fins determinados pela razão e pela vontade do homem.” -Erich Fromm-

Chaves para compreender a sociedade desumanizada

Há quem diga que Erich Fromm é uma daquelas figuras que não tem recebido atenção suficiente nem a relevância que merece. Colegas da Escola de Frankfurt, como Theodor Adorno ou Max Horkheimer, por exemplo, são talvez nomes com mais tradição dentro da filosofia ou da sociologia.

Agora, é inevitável reconhecer o grande impacto intelectual que teve no mundo intelectual americano e mais profundamente na psicologia.

Fromm foi um grande defensor da liberdade , alertando para os mecanismos contra os quais poderíamos ser submissos. Foi essa atitude que deu lugar a novos governos autoritários, como acontecera na Alemanha da Segunda Guerra Mundial.

O que ele conseguiu, acima de tudo, foi nos ensinar a entender o nazismo de um ponto de vista socioeconômico e psicológico.

Agora, entre todas as suas obras, havia uma com caráter profético.

Em A Revolução da Esperança (1968), ele quis nos alertar sobre como seria o ser humano de 2000: um mero consumidor, um ser passivo submetido a uma realidade mecanizada que nos separará uns dos outros.

A sociedade desumanizada de acordo com Erich Fromm é, em muitos aspectos, um retrato do nosso mundo atual.

“Para ter uma economia saudável, estamos gerando trabalhadores doentes. A maioria das pessoas deve ser passiva e dependente para ter organizações fortes e funcionando bem? -Erich Fromm-

O ser humano será mais uma parte das máquinas

Erich Fromm observou com alguma preocupação o avanço das sociedades industrializadas, como os Estados Unidos. É verdade que o progresso traz conforto, sem dúvida, mas esse bem-estar aparente tem um custo, um reverso sombrio.

A elite empresarial, e mesmo os próprios empresários, são meros apêndices das máquinas que movem o mundo. Somos escravos da tecnologia.

A megamáquina é para Fromm um sistema social totalmente organizado e homogeneizado no qual máquinas e pessoas são a mesma coisa. Com a única diferença que o ser humano perde liberdade, saúde e felicidade para que essas engrenagens funcionem.

Temos como certo que nossos computadores e outras tecnologias estão ao nosso serviço, quando na realidade é o contrário. Por outro lado, há outro aspecto interessante que ele apontou em seu livro A Revolução da Esperança.

Homens e mulheres perderão a fé e a confiança nos valores humanos e, em vez disso, apenas os valores técnicos e materiais serão validados.

Diante de um panorama desolador, temos duas opções

Erich Fromm queria nos prevenir e, para isso, ressaltou que a humanidade tinha duas opções. O primeiro é deixar-se levar por uma sociedade mecanizada na qual o indivíduo será uma mera engrenagem.

A segunda forma é a esperança. Se quisermos progredir como sociedade, devemos ter o cuidado de fazer com que a tecnologia sirva ao bem-estar humano e não o contrário.

Ora, no modelo frommiano do ser humano há algo que sempre se percebe. É como se o filósofo alemão de origem judaica soubesse que nos custa muito investir em nosso próprio crescimento e avanço.

Muitas vezes, caímos na apatia e na inércia. Não nos comprometemos com mudanças, mas, em muitos casos, somos meros escravos de nossa própria passividade e complacência .

Os seres humanos estão se tornando apáticos, pois dependem cada vez mais de máquinas do que de sua própria capacidade de raciocinar e iniciar revoluções.

Estamos na rota certa?

“Se as pessoas não perceberem a direção para a qual estão indo, elas acordarão quando for tarde demais e seu destino estiver irrevogavelmente selado”, ele destacou em A Revolução da Esperança.

A verdade é que a teoria da sociedade desumanizada segundo Erich Fromm tinha uma conotação profética muito semelhante à ideia que George Orwell nos deixou.

Agora, a próxima pergunta seria: estaremos a tempo de evitar ou prevenir essa falta de humanidade nos subordinando ao universo tecnológico?

Algo que o próprio Fromm aponta é que o consumismo não é o caminho para a felicidade e que o verdadeiro progresso e a liberdade vêm com os agitadores e promotores. Podemos já estar atrasados ​​para essa revolução, mas vale a pena lembrá-la.

*DA REDAÇÃO HP. Com informações LLM.


VOCÊ CONHECE O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO HOMEM NA PRÁTICA?

O UNIVERSO MASCULINO EM UM SÓ LUGAR.

RECOMENDAMOS






Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!