A versão original do conceito de ano sabático remete à tradição judaica. O Shemitá, como é chamado em hebraico, refere-se ao período de um ano de descanso da terra, após seis anos de plantio e colheita.

Hoje em dia, esse conceito é usado para definir um período de pausa na rotina de trabalho para viver outras experiências. O objetivo com o ano sabático costuma ser a procura por um propósito de vida, reencontrar-se com a própria essência, buscar automotivação para refletir sobre a carreira, também pode representar um tempo dedicado a fortalecer os vínculos com a família, conhecer o mundo, aprender outro idioma, fazer trabalho voluntário, escrever um livro, etc. Tirar um ano sabático é o sonho de muita gente, mas poucos imaginam que é algo acessível, grande parte das vezes.

Frequentemente, pensamos em tirar o ano sabático para resgatar e colocar nos eixos a vida depois de termos passado por um grande estresse. Doenças, luto, fim de casamento, síndrome de burnout etc. Alternativamente, surge como uma ideia de nos presentearmos por pura necessidade de mudar e desfrutar da vida em sua profundidade, conhecer povos e culturas, desbravar o mundo. Ao tirar o ano sabático nos colocamos como prioridade. É um período dedicado completamente a fazer o que sempre sonhamos, mas deixamos de lado por conta de obrigações.

O filme “Comer, rezar, amar”, estrelado por Julia Roberts, retrata bem a experiência de seu personagem, que depois de uma série de relacionamentos fracassados e insatisfação pessoal, resolve viajar em seu ano sabático para se encontrar. Ao final de sua jornada, que não foi fácil, ela se percebe transformada, realizada e feliz, como muitos que passam pelo ano sabático relatam se sentir também.

Organização é a palavra chave!

Dinheiro

Não pense que tirar um ano sabático é um privilégio de quem tem muito dinheiro e pode ficar um tempo afastado do trabalho. Tendo claros seus objetivos e com um bom planejamento financeiro, você também pode viver essa experiência. Além disso, o ano sabático não necessariamente é um período de um ano sem trabalhar. Pode consistir em um afastamento do trabalho por este período não remunerado, para fazer outras atividades, inclusive trabalhos alternativos não relacionados à sua profissão ou carreira. É muito comum, fazer bicos durante a experiência do ano sabático, para suprir as necessidades durante esse afastamento. Quem não tem aquele amigo formado que foi trabalhar como garçom no exterior, pra pagar as aulas de inglês? Faz parte…

Dependendo do que você pretende fazer, o dinheiro pode ser muito necessário ou não. Fazer um intercâmbio para aprender uma nova língua no exterior requer sim bastante investimento. Talvez a venda de um carro, alugar a própria casa pelo período, ou apelar pra uma aplicação para dar conta dos gastos seja necessário. Porém, se a ideia for se engajar em algum trabalho voluntário num retiro, por exemplo, não há necessidade de desfalcar as economias. Defina seus objetivos e se programe para não passar apuros depois.

Trabalho

Se você está satisfeito com seu trabalho, vale checar se é possível uma licença para o sabático. Algumas organizações oferecem essa possibilidade aos seus colaboradores. Pela CLT é possível tirar uma licença sem remuneração, assim, não é preciso pedir demissão para tirar um ano sabático. Entretanto, se a ideia for mudar de vida e começar do zero, pedir as contas é uma etapa obrigatória nesse processo.

Família

Para os que não têm filhos, ou parceiro fixo, tirar o ano sabático é bem mais simples; basta se abastecer de coragem e encarar a proposta. Já os que têm família, filhos, cachorro e papagaio devem tomar uma decisão conjunta, para que todos aproveitem verdadeiramente da experiência e não a transformem em algo traumático.

Foco em viver e não em ter

A proposta do ano sabático é a de ganhar experiência, vivência, autoconhecimento. Não se deve esperar ganhar mais dinheiro nesse período, as recompensas são de outra ordem. O importante é ter um objetivo claro e acompanhar a sua evolução ao longo desse período. Essa é a verdadeira satisfação que o ano sabático traz.

Programe-se para a volta

O ideal é que além do planejamento dos gastos com o ano em si (passagens aéreas, hospedagens, cursos etc) se faça uma reserva financeira para quando voltar do ano sabático. Até que se estabilize novamente em seu emprego ou encontre uma nova ocupação, precisará arcar com as contas normalmente. Muitas vezes, estará nos planos ainda comprar um novo carro, ou alugar um novo apartamento, para se reestabelecer.

Deu vontade de tirar seu ano sabático? Com planejamento e força de vontade é sim possível realizar esse sonho! Vá em frente se for o seu caso e boa sorte na empreitada!

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Homem na Prática
Queremos falar de forma descontraída sobre o universo masculino sem qualquer estereótipo. Prazeres, Família, Trabalho, Finanças, Futuro e Gastronomia. Papo aberto, franco e direto!